Google é fortemente criticado após apagar Palestina do mapa

Jerusalém, 8 ago (EFE).- O Google está sendo criticado por parte de grupos palestinos e internacionais depois de retirar de seu aplicativo de mapas o nome da Palestina de uma região na qual só figura Israel.

"Trata-se do elo mais longo da rede de agressões contra o povo palestino. Acredito que deve ser exercida muita pressão sobre o Google para que devolva o termo Palestina ao mapa", disse nesta segunda-feira à Agência Efe Moussa Shaer, membro da direção do Sindicato de Jornalistas Palestinos.

O sindicato emitiu na quarta-feira um comunicado no qual condenava a decisão do Google de remover a Palestina de seus mapas, e a qualificava como "parte de um plano israelense para estabelecer seu nome como o de um Estado legítimo para as gerações vindouras e abolir a Palestina de uma vez por todas".

O texto, informado pelo meio "Middle East Monitor", acrescentava que "a medida também está projetada para falsear a história, a geografia, assim como o direito do povo palestino à sua pátria, e representa uma tentativa fracassada de alterar a memória de palestinos e árabes, assim como a do mundo".

Shaer explicou que há dois meses os usuários palestinos perceberam que a Palestina tinha sido apagada e não figurava como opção para realizar uma busca no famoso procurador, mas apenas há semanas que ativistas palestinos e estrangeiros começaram a manifestar seu descontentamento pela decisão.

O jornalista insistiu que a medida "incentiva a política israelense de mais confiscos de terras palestinas para os assentamentos e a perpetuação da ocupação no território ocupado".

O Sindicato de Jornalistas Palestinos, que engloba 850 membros da Cisjordânia e de Gaza, pediu explicações a Google, mas ainda não recebeu uma resposta, embora Shaer tenha expressado sua esperança em que a empresa tecnológica mude sua política.

A empresa americana é por causa deste fato alvo das críticas nas redes sociais, onde é acusada de hostilidade com a Palestina e de guiar-se pelos interesses de Israel.

Os usuários pró-palestina pediram mediante uma hashtag que o Google seja punido por isso.

O Estado da Palestina se transformou em observador não-membro da ONU em 2012, e é reconhecido por outros organismos internacionais, Estados e Parlamentos em todo o globo.

Israel ocupou na guerra de 1967 Cisjordânia, Gaza e Jerusalém Oriental, territórios que os palestinos reivindicam como parte de seu futuro estado independente, com capital na última cidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos