Trump sugere que chamar Obama de "fundador" do EI foi sarcástico

Washington, 12 ago (EFE).- O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, sugeriu nesta sexta-feira que seu comentário sobre o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ser o "fundador" do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) foi uma coisa sarcástica.

Trump fez essa acusação contra Obama em um comício realizado na Flórida na quarta-feira e desde então a repetiu em várias ocasiões.

Mas hoje, em sua conta no Twitter, o empresário atacou a rede da "CNN" por informar "tão seriamente" a respeito de seus comentários sobre Obama como "fundador" do EI e também sobre a candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, a quem considerou como "cofundadora" do grupo jihadista.

"Eles ("CNN") não entendem o sarcasmo?", perguntou Trump em seguida.

Em outro tuíte, Trump disse que o EI adquiriu "uma força enorme" durante a época na qual Hillary foi secretária de Estado de Obama. "Quando os veículos de imprensa desonestos informarão dos fatos?", questionou.

Até hoje, o candidato republicano se tinha mantido firme ao defender a seriedade de suas declarações sobre Obama e EI, inclusive quando nesta quinta-feira foi perguntado em entrevista para o locutor conservador Hugh Hewitt sobre se ele se referia na realidade a que o presidente criou as condições para o surgimento do grupo jihadista.

"Não, quis dizer que ele (Obama) seja o fundador do EI", insistiu Trump nessa entrevista.

Esta nova polêmica protagonizada pelo empresário veio depois de se saber da existência de uma carta assinada por cerca de 70 republicanos que asseguram que a figura de Trump "ameaça" transformar as eleições de novembro em uma "vitória arrasadora" dos democratas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos