Suriname reforça presença no Uruguai para se aproximar do Mercosul

Montevidéu, 21 ago (EFE).- O Suriname aposta no estreitamento de sua relação bilateral com o Uruguai para consolidar os vínculos com o Mercosul, bloco do qual faz parte como membro associado, e olha para esse país como um articulador estratégico no âmbito comercial, disse neste domingo à Agência Efe o cônsul surinamês em Montevidéu, Nelson Simatovich.

Nesse sentido, o diplomata fez menção ao tratamento que atualmente o Senado do Uruguai dá a um projeto de lei no qual ratifica pela segunda vez o ingresso do Suriname no Mercosul em caráter de associado.

A admissão do Suriname tinha sido aprovada na Cúpula do Mercosul de 2013 em Montevidéu, enquanto o Paraguai estava suspenso transitoriamente do bloco por causa da crise política que vivia.

Após a retirada da medida contra o Paraguai e seu reingresso ao Mercosul, todos os protocolos assinados pelo bloco voltaram à consideração parlamentar de cada país membro, e com isso o documento retornou à esfera parlamentar no Uruguai.

A suspensão do Paraguai, junto com o ingresso da Venezuela como membro pleno nessa mesma cúpula, fez com que a associação com o Suriname passasse "um pouco despercebida", disse Simatovich.

No entanto, para o diplomata se tratou de um marco, já que foi com a aprovação do status de associado desse país e da Guiana que foi possível que "todos os países-membros da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) fossem partícipes do Mercosul", seja como membros plenos ou associados.

Com o aval da Comissão de Assuntos Internacionais do Senado uruguaio, espera-se que o plenário aprove a ratificação nos próximos dias e que siga seu trâmite parlamentar na Câmara dos Deputados, onde, segundo Simatovich, será aprovado.

Conforme explicou, associado enquanto os Parlamentos votam o tema, o Suriname não perde o status de associado, o que o coloca no mesmo patamar de outros Estados, como Peru, Chile e Colômbia, que possuem a mesma qualidade.

"A presença do Suriname como membro da Comunidade do Caribe (Caricom) e como Estado associado no Mercosul faz com que possa ser um elo para criar acordos futuros entre ambos os blocos", disse o cônsul.

Na entrevista, Simatovich destacou o apoio que seu país deu à candidatura do uruguaio Luis Almagro à Secretaria-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), que se cristalizou após a assinatura em 2014 de um acordo de cooperação entre os dois países.

"Não é (algo) menor porque é o primeiro instrumento internacional, o primeiro acordo que Uruguai e Suriname assinaram", expressou o cônsul.

O país solicitou em 2015 também sua entrada como observador na Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), com sede em Montevidéu, e integra outros organismos internacionais localizados no Uruguai (Arpel e Upaep), que com a designação de um cônsul do Suriname no Uruguai contam com um representante desse país, segundo Simatovich.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos