Secretário da OEA proclama "fim da democracia" na Venezuela

Washington, 22 ago (EFE).- O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, proclamou nesta segunda-feira o "fim da democracia" na Venezuela, cujo governo classificou de "regime", além de ter chamado a situação que impera no país de "tirania".

Em mensagem divulgada pelo Twitter e dirigida ao opositor Leopoldo López, cuja condenação a 14 anos de prisão foi ratificada pela Justiça recentemente, Almagro disse que "não há hoje na Venezuela nenhuma liberdade fundamental nem nenhum direito civil ou político".

"Se ultrapassou um nível que significa que é o fim da democracia. A comunidade internacional é clara ao pedir não mais tirania no céu. Um céu que já não existe", afirmou Almagro.

Almagro afirmou que a sentença contra López, a quem chamou de "amigo", emitida pelo Tribunal de Recurso da Venezuela, no último dia 12, marca "o fim do Estado de Direito" nessa nação sul-americana.

"Às vezes analiso o tema e estou convencido (de) que não existem razões jurídicas, políticas, morais ou éticas para não se pronunciar e condenar um governo (neste momento com características de regime) que se desqualificou a si próprio", disse o político uruguaio na carta, de oito páginas.

Segundo Almagro, o governo de Nicolás Maduro "tem presos políticos que são torturados", "ignora a separação de poderes", "sofre uma profunda crise humanitária e ética" e "desconhece o direito constitucional do povo de retirar seu presidente".

O secretário-geral da OEA disse, além disso, que na Venezuela "impera" a "intimidação política" e citou os casos do preso Antonio Ledezma, Daniel Ceballos, a deputada cassada María Corina Machado, ou o deputado Julio Borges, que foi agredido em junho por partidários de Maduro, como exemplo.

"Aqueles que sofrem com as ditaduras sabem que tentar eliminar opositores ou vozes dissidentes é um verdadeiro reflexo da ignorância dos tiranos", afirmou Almagro, lembrando da ditadura uruguaia que se estendeu entre 1973 e 1985.

Almagro se dirigiu a López nestes termos: "Devo confessar que neste tempo eu me senti perto da injustiça que você sofre, me senti perto do sofrimento do povo venezuelano".

Desde que chegou na Secretaria-Geral da OEA, em maio do ano passado, Luis Almagro tem no governo de Maduro e na crise venezuelana como seu principal carro-chefe com seguidos pronunciamentos e denúncias sobre a situação política do país.

No mês de maio, deu mais um passo ao ativar a Carta Democrática da OEA para a Venezuela, um mecanismo sem precedentes que poderia levar à suspensão do país dessa organização.

Maduro, por sua vez, acusa Almagro de tentar uma "intervenção" estrangeira na Venezuela.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos