EUA e Rússia prosseguem discussões para nova trégua na Síria

Genebra, 1 set (EFE).- Representantes dos mais altos níveis de defesa, segurança e diplomacia dos Estados Unidos e da Rússia estão reunidos em Genebra, na Suíça, para tentar completar os detalhes de um acordo para uma nova trégua na Síria, confirmou nesta quinta-feira o enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Síria, Staffan de Mistura.

Ele antecipou que seu escritório apresentará uma nova iniciativa política para deter o conflito na Síria antes do início da Assembleia geral da organização, em meados deste mês.

"As discussões atuais (entre EUA e Rússia) vão além da trégua de 48 horas solicitada pela ONU em Aleppo para fornecer ajuda humanitária à população", esclareceu Mistura.

Os responsáveis das Relações Exteriores americano, John Kerry, e russo, Sergei Lavrov, se reuniram na semana passada em Genebra para tentar fechar um acordo de fim das hostilidades na Síria, o que não conseguiram, mas anunciaram que seus especialistas continuariam as discussões para chegar a um entendimento.

"Nós apoiamos essas discussões. Agora todo o restante é marginal porque a ajuda humanitária não está entrando onde precisa por causa dos combates", explicou Mistura.

Sobre a nova estratégia política que prepara, ele adiantou que será "bastante clara" e será divulgada na semana anterior à Assembleia geral para que seja analisada durante o fórum.

Por sua vez, o enviado especial confirmou a "crescente militarização" do conflito sírio e lançou uma chamada aos Estados Unidos, Rússia, Irã, Arábia Saudita e, em geral, aos países com influência no conflito sírio para que ajudem a destravar o acesso humanitário a Aleppo.

Sobre isso ele disse que a ONU "continua lista para transportar a ajuda em qualquer momento, apenas não recebamos as indicações das partes" em conflito. Já sobre o bloqueio da ajuda vital para os civis que se encontram em áreas sitiadas militarmente, informou que ao longo de todo o mês passado foi possível acessar três das 18 localidades cercadas.

A população ajudada em agosto representou menos de um terço da que está em todas as zonas sitiadas do país, a grande maioria pelas forças do regime sírio.

O coordenador desta operação humanitária, Jan Egeland, disse que à ONU espera agora a resposta do governo a seu plano de operação para setembro, com a qual se pretende levar ajuda a 1,2 milhão de pessoas.

Egeland lamentou em particular a situação da população em Daraya, na periferia de Damasco, assediada há quatro anos e aonde chegou apenas um comboio com ajuda durante todo este tempo, apesar de a ONU pede semanalmente às autoridades que lhe permitam entrar com ajuda.

"Precisamos romper com os assédios, mas isto não se alcança simplesmente quando a população se rende pela crise de fome e os bombardeios, mas quando há acesso humanitário e liberdade de movimento para os civis", enfatizou Egeland.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos