Uruguai considera impeachment de Dilma "profunda injustiça"

Montevidéu, 1 set (EFE).- O governo do Uruguai considera uma "profunda injustiça" o impeachment da presidente brasileira Dilma Rousseff por parte do Senado desse país, que a afastou de seu cargo após considerá-la culpada por diversas irregularidades fiscais, informaram nesta quinta-feira fontes oficiais.

"Além da legalidade invocada, o governo uruguaio considera uma profunda injustiça dito impeachment", diz um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores.

No escrito, o governo manifesta que "seguiu com atenção" os processos políticos e jurisdicionais na República Federativa do Brasil, que terminaram no dia de ontem com a decisão do Senado de destituir a "presidente eleita legitimamente pelo povo".

Além disso, destaca o papel de Dilma em "fortalecer a histórica relação bilateral", que permitiu alcançar uma "aliança estratégica" em benefício de ambos povos.

"O Uruguai aspira que no marco da institucionalidade democrática, o povo brasileiro alcance seus objetivos de estabilidade e desenvolvimento", continua o comunicado.

O Senado brasileiro decidiu a favor do impeachment de Dilma por 61 votos a favor e 20 contra, em uma decisão que também confirma como presidente do Brasil Michel Temer, que seguirá no poder até 1º de janeiro de 2019.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos