Turquia oficializa demissão inapelável de 40 mil funcionários governamentais

Ancara, 2 set (EFE).- O governo turco oficializou a demissão inapelável de cerca de 40 mil funcionários, suspeitos de estar relacionados com a rede do clérigo conservador Fethullah Gülen, acusado de organizar o fracassado golpe de Estado de julho.

Segundo um decreto publicado ontem à noite no Diário Oficial do Estado turco, foram oficialidas, entre outros, as demissões de 28,1 mil funcionários do Ministério da Educação, de outros 7,6 mil da direção de segurança, de 2 mil do Ministério da Saúde e outros 1,5 mil da direção de assuntos religiosos.

Desde a tentativa golpista de julho, a Turquia tinha suspendido cerca de 80 mil funcionários públicos de diferentes setores da administração, incluindo o Exército.

Uma parte destas suspensões se transformaram agora em demissões formais e inapeláveis.

Estes funcionários não poderão voltar mais a seus postos de trabalho e também não poderão apelar da decisão, decidido pelo Executivo graças a poderes especiais no marco do Estado de emergência, que rege no país desde o golpe fracassado.

O decreto assegura que os funcionários demitidos estão relacionados com "organizações terroristas", em alusão à rede de seguidores de Gülen.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos