China libera sites estrangeiros para participantes do G20

Hangzhou (China), 3 set (EFE).- Sites e redes sociais populares como Google, YouTube, Facebook e Twitter, bloqueados na China há anos, estão acessíveis nos últimos dias para os participantes da cúpula de líderes do G20 na cidade de Hangzhou e os jornalistas que estão cobrindo o evento, como pôde ser comprovado neste sábado pela Agência Efe.

O centro de imprensa para a cúpula, assim como os hotéis oficiais onde estão hospedados jornalistas, delegados e líderes, estão livres da habitual censura da rede chinesa, a fim de evitar queixas dos visitantes.

Esta prática é habitual em grandes eventos internacionais organizados pela China: também desbloqueou sites que "incomodam" o país durante a cúpula do Fórum Ásia Pacífico (Apec), organizado em Pequim, em 2014, assim como seis anos antes, quando a capital chinesa sediou os Jogos Olímpicos.

Durante os primeiros dias do evento esportivo de 2008, atletas e jornalistas vindos de todo o mundo descobriram que não podiam entrar em redes sociais e populares sites da rede, o que provocou queixas generalizadas e a decisão dos anfitriões de retirar a censura para os visitantes.

Apenas os participantes da cúpula do G20, em uma área de Hangzhou praticamente fechada ao resto da população e com forte esquema de segurança, enquanto o restante do país segue sem poder acessar os sites censurados.

Além disso, a internet funciona na cúpula com um sistema de cartões personalizados, o que permitiu a suspensão da censura somente aos participantes estrangeiros, enquanto os jornalistas chineses seguem com as limitações frequentes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos