Israel permitirá entrada de 100 mil palestinos para Festa do Sacrifício

Jerusalém, 5 set (EFE).- O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, aprovou a entrada de cem mil palestinos da Cisjordânia no país e em Jerusalém Oriental nos próximos dias devido à celebração da Festa do Sacrifício (Eid Al-Adha) pelos muçulmanos.

O escritório do Coordenador de Atividades do Governo nos Territórios (Cogat, órgão militar que administra a ocupação) informou nesta segunda-feira sobre diversas medidas que serão implantadas durante as festividades, que ocorrem entre 12 e 16 deste mês, como "parte das políticas para melhorar a vida dos civis palestinos residentes e para acomodar a liberdade religiosa".

"Serão coordenadas 100 mil visitas familiares da Cisjordânia a Israel, assim como viagens ao estrangeiro pelo aeroporto de Ben Gurion e milhares de permissões para que muçulmanos possam ir rezar na Mesquita de Al-Aqsa, na Cidade Velha de Israel", diz em nota.

"O Cogat informou aos oficiais da Autoridade Palestina e da comunidade internacional sobre as medidas e o reconhecimento da festividade. E também informou suas forças de segurança sobre as tradições e rituais destas festas", completa o comunicado.

O Eid al-Adha ou "Festa do Sacrifício" lembra a história do profeta Abraão, que matou um cordeiro em vez de seu próprio filho, Ismael, segundo o Corão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos