Exército Livre Sírio apoia reconciliação, mas sem imposições de EUA e Rússia

Beirute, 10 set (EFE).- O líder do Exército Livre Sírio (ELS) general Ahmed Khaled Birri, afirmou neste sábado que seu grupo está disposto a aderir a qualquer acordo de reconciliação no país, mas se negou a aceitar as condições impostas por Estados Unidos e Rússia.

O dirigente da oposição explicou sua posição à Agencia Efe após o anúncio feito hoje por Washington e Moscou de um pacto para um cessar-fogo na Síria a partir da próxima segunda-feira.

"Estamos de acordo com qualquer operação de reconciliação que alivie o sofrimento no nosso país, mas ainda não recebemos nenhum texto do pacto por parte de EUA e Rússia. O conhecemos por meio da imprensa", indicou Birri.

O general afirmou que nenhum dos dois países entrou em contato com o ELS para chegar à trégua. No entanto, afirmou que se o regime do presidente Bashar al Assad cumprir o cessar-fogo, o grupo também pode cogitar aceitar as condições. "Mas é preciso levar em conta que esse acordo não se aplica ao Hezbollah e outras facções", disse.

Birri também exigiu que a resolução 2254 da ONU que determina o fim do assédio, dos bombardeios e que os refugiados possam retornar a suas casas.

O governo da Síria anunciou hoje sua aceitação do acordo de cessar-fogo, segundo informou a agência oficial "Sana".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos