Costa-riquenha desiste de concorrer à Secretária-Geral da ONU

San José, 12 set (EFE).- A costa-riquenha Christiana Figueres anunciou nesta segunda-feira a desistência da disputa pela Secretaria-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), dois meses após se candidatar, e reconheceu que o pouco apoio recebido no processo influenciou na decisão.

O anúncio foi feito em entrevista coletiva junto ao chanceler da Costa Rica, Manuel González, ao mesmo tempo em que Figueres divulgava uma carta à ONU com a decisão.

Figueres disse que saiu da disputa para "facilitar o complexo processo" de decisão na organização e agradeceu o apoio de seu país, da sociedade, do setor privado e de outras nações da ONU.

A costa-riquenha disse esperar que seja escolhido um "líder que possa fortalecer a confiança das pessoas nas Nações Unidas e em sua missão, voltada aos desafios profundamente entrelaçados de paz, prevenção dos conflitos, direitos humanos, migração, recursos naturais, mudança climática e desenvolvimento".

Figueres reconheceu que a decisão foi influenciada pelo pouco apoio recebido no processo que realizado na ONU ao longo de uma série de rodadas de votação.

Na sexta-feira passada, o ex-primeiro-ministro português António Guterres se manteve como o grande favorito a suceder Ban Ki-moon à frente da ONU, após voltar a receber mais votos que qualquer outro candidato na quarta votação feita no Conselho de Segurança.

Guterres melhorou ligeiramente seus resultados em relação à votação anterior e obteve 12 votos a favor, dois contra e uma abstenção, segundo fontes diplomáticas.

Em segundo lugar aparece o ministro das Relações Exteriores da Eslováquia, Miroslav Lajcak, com 10 votos favoráveis, quatro negativos e uma abstenção, enquanto Figueres e a argentina Susana Malcorra ficaram novamente longe.

O governo da Costa Rica oficializou a candidatura de Figueres no dia 7 de julho em um evento oficial, no qual o presidente do país, Luis Guillermo Solís, destacou as qualidades da compatriota para assumir o cargo.

Nos últimos seis anos, Christiana Figueres foi secretária executiva da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC), responsável pelas negociações para reduzir as emissões de gases poluentes.

Sob sua direção, em dezembro passado foi estabelecido em Paris um acordo global contra a mudança climática, uma conquista que ela ressaltou como um exemplo da multilateralidade que o planeta deve seguir para reduzir a pobreza e buscar a paz.

Figueres tinha anunciado que sua prioridade caso chegasse ao alto cargo da ONU era "recuperar o otimismo e a esperança global" e priorizar a resolução pacífica dos confrontos, fortalecer a capacidade de resposta do organização perante as crises, desenvolver um modelo inclusivo de multilateralismo, conseguir a paz duradoura e fortalecer a entidade.

Christiana Figueres é filha do três vezes presidente da Costa Rica, José Figueres Ferrer, já falecido, que liderou a revolução armada de 1948 e que, no mesmo ano, aboliu o Exército do país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos