Ao comentar atentados do fim de semana, Trump diz que "isto só vai piorar"

Washington, 19 set (EFE).- O candidato do Partido Republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, comentou nesta segunda-feira os atentados cometidos neste fim de semana no país e vaticinou que "isto só vai piorar".

"Acredito que é algo que pode ser que... que talvez ocorra mais e mais (frequentemente) em todo o país", declarou o candidato presidencial conservador à rede de televisão "FOX".

O magnata do setor imobiliário se referia às bombas que foram plantadas em Nova York e no estado vizinho de Nova Jersey nas últimas horas, assim como à explosão de outro artefato e o ataque de um suposto simpatizante jihadista com uma faca em um centro comercial de Minnesota, que deixou nove feridos neste fim de semana.

"É uma confusão e é uma vergonha, e vamos ter que endurecer, pois isto só vai piorar", acrescentou o candidato.

Já a candidata presidencial democrata, Hillary Clinton, admitiu em entrevista coletiva improvisada no aeroporto de White Plains, no estado de Nova York, que a ameaça terrorista contra os EUA "é real", mas disse que "a determinação" dos americanos para enfrentá-la "também é real".

"Os americanos não vão se acovardar", disse Hillary, que pediu colaboração à população. "Se vocês virem algo ou ouvirem algo", denunciem, afirmou a candidata, que também advertiu que o objetivo dos terroristas é "minar nossos valores", algo que, segundo ela, "não vão conseguir".

Trump, por sua vez, se referiu às possíveis "conexões internacionais" dos ataques, que foram mencionadas pouco antes pelo governador de Nova York, Andrew Cuomo, e disse que acredita que há "múltiplas conexões estrangeiras" de pessoas que estão se infiltrando nos EUA para cometer atentados.

"Pode ser que tenhamos muitos grupos (no país), porque estamos deixando esta gente vir a nossa nação para destruí-la, e torná-la insegura para nosso povo", disse Trump, que aproveitou para insistir em sua proposta de restringir a imigração.

Hillary, por sua vez, disse que "há milhões de pessoas naturalizadas nos EUA de todas as partes do mundo. Não nos deixemos distrair com a retórica antirrefugiados".

As autoridades americanas prenderam hoje uma pessoa identificada como Ahmad Khan Rahami, nascido no Afeganistão e naturalizado americano, que pode ter ligação com as bombas colocadas durante o fim de semana em Nova York, enquanto o agressor do centro comercial em Minnesota foi identificado por sua família como Dahis Adan, um imigrante da Somália.

No ataque de Minnesota, nove pessoas foram feridas no sábado por Adan, que portava uma faca de cozinha. Já em Nova York, 29 pessoas ficaram feridas também no sábado no bairro de Chelsea, após a explosão de uma bomba. Pouco depois, outro artefato que não foi detonado foi encontrado também nesse bairro.

Além disso, na madrugada de hoje, outra bomba explodiu na cidade de Elizabeth, em Nova Jersey, enquanto era analisada por um robô policial. No sábado, outro artefato explodiu em Seaside Park, também em Nova Jersey, mas sem causar vítimas e danos materiais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos