Argentina nega ter assinado acordo por Ilhas Malvinas com Reino Unido

Buenos Aires, 19 set (EFE).- O presidente provisório do Senado da Argentina, Federico Pinedo, negou nesta segunda-feira que a declaração conjunta feita com o governo do Reino Unido para melhorar o "diálogo" entre ambos os países seja um acordo que reflete a histórica reivindicação pela soberania das Ilhas Malvinas.

"O que o governo fez é um comunicado, nem sequer um acordo, não é um tratado", afirmou Pinedo em declarações à "Rádio Belgrano", por causa de uma polêmica surgida após a publicação, na última terça-feira, de um comunicado conjunto da chancelaria da Argentina após a visita a Buenos Aires do ministro de Estado do Reino Unido para a Europa e as Américas, Alan Duncan.

Pinedo, que faz parte do "Mudemos", grupo político do presidente do país, Mauricio Macri, afirmou que a negociação sobre a soberania do arquipélago, exercida pelos britânicos e reivindicada pela Argentina desde 1833, é "absolutamente indispensável" e negou que esse tipo de diálogo com o Reino Unido representem uma mudança.

"A declaração focou em refletir a vontade de ambos os países de iniciar uma etapa positiva na história e rica relação bilateral, abrangeu a cooperação em vários temas, entre os quais estavam diferentes aspectos da 'Questão Malvinas', mas sem aprofundamento no assunto da soberania", explicou o senador.

Mesmo com o esclarecimento, vários grupos políticos, sobretudo da oposição, e ex-combatentes argentinos da Guerra das Malvinas em 1982 criticaram o tom do comunicado. No conflito, que terminou com derrota da Argentina, morreram 255 britânicos, 649 argentinos, dos quais 123 permanecem enterrados sem identificar.

Após a publicação da declaração, deputados da Frente para a Vitória (FpV), da ex-presidente Cristina Kirchner, convocaram a chanceler do país, Susana Malcorra, ao Congresso e pediram o governo que deixe de apoiar sua candidatura à Secretária-Geral da ONU.

Segundo a FpV, existe um "evidente conflito de interesses" enquanto forem realizadas negociações com os britânicos.

No pedido está incluído um projeto de resolução que, segundo a agência estatal "Télam", recomenda uma rejeição em "todos os termos do texto". Além disso, solicita que o governo de Macri envie ao Congresso com "caráter urgente" todas as gestões sobre a questão desde sua chegada ao poder em dezembro.

A própria Coalizão Cívica, partido que integra o "Mudemos", emitiu neste domingo um comunicado no qual questionou a declaração conjunta. O partido afirma que o texto é "lesivo para a soberania da Argentina" e também pediu que o assunto seja tratado no Congresso pela existência de uma "incompatibilidade as medidas" com uma disposição presente na Constituição.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos