Estudo alemão evidencia discriminação a mulheres com véu na busca por emprego

Berlim, 20 set (EFE).- Um estudo alemão apresentado nesta terça-feira mostrou que uma mulher turca que usa véu tem quatro vezes menos chance de conseguir uma entrevista de emprego do que uma cidadã alemã, evidenciando a discriminação social sofrida por este grupo no mercado de trabalho na Alemanha.

O trabalho da empresa de consultoria laboral IZA analisa as respostas das empresas ao envio de 1,5 mil currículos fictícios idênticos em qualificações acadêmicas e experiência que só mudavam o nome da candidata -entre um alemão ou outro turco- e a foto -com ou sem véu (não integral).

Assim, a versão com nome alemão e sem véu obteve convites para uma entrevista de trabalho em 18,8% ocasiões, enquanto a de nome turco e sem véu teve respostas em 13,5% dos casos e a combinação com nome turco e véu apenas foi atendida em 4,3% ocasiões.

Segundo a economista da Universidade de Linz, Doris Weichselbaumer, autora da pesquisa. é "imprescindível" contribuir para acabar com as "enormes dificuldades" sofridas pelas candidatas muçulmanas" que "querem se integrar no mercado de trabalho alemão".

O estudo estabelece, além disso, uma correlação direta entre a qualificação precisa para ter acesso a um posto e o grau de discriminação para as mulheres de origem turca que usam véu, que chegam a ter de enviar oito vezes mais currículos do que as alemãs.

Além disso, o relatório põe em dúvida a tese de que o menor acesso das mulheres imigrantes no mercado de trabalho na Alemanha esteja relacionado com piores qualificações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos