PSOE terá três semanas para decidir se permite novo governo na Espanha

Madri, 2 out (EFE).- Após a renúncia do líder Pedro Sánchez, o Partido Socialista espanhol dispõe de cerca de três semanas para decidir se permite ao conservador Mariano Rajoy, chefe do Governo interino, formar um novo Gabinete.

O PSOE está agora em mãos de uma comissão que deverá convocar um novo comitê federal para que este decida se, ao invés do "não" a Rajoy mantido por Sánchez até o fim, vota por uma abstenção que desbloqueie a crise institucional.

A Espanha está há mais de nove meses com um governo interino já que nem Rajoy e nem o próprio Sánchez puderam ser investidos após duas eleições consecutivas que foram realizadas em 20 de dezembro de 2015 e em 26 de junho de 2016.

Por imperativo constitucional, em 31 de outubro será dissolvido automaticamente o parlamento para dar passagem a terceiras e insólitas eleições gerais.

O setor crítico do PSOE, que forçou no sábado a saída de seu secretário-geral, se mostrou partidário de facilitar o governo a Rajoy após rejeitar um alternativo que deveria contar com a coalizão esquerdista Podemos e o apoio de algum deputado separatista.

Restam então 29 dias para a dissolução, mas o rei Felipe VI teria que realizar uma rodada de consultas com os representantes dos partidos parlamentares para encarregar a formação de governo ao candidato que conte com suficientes apoios.

A posse de chefe de governo na Espanha pode ser em uma primeira sessão parlamentar, caso o candidato consiga maioria absoluta (176 das 350 cadeiras do Congresso) ou em uma segunda sessão, 48 horas mais tarde, na qual necessita apenas mais 'sims' do que nãos.

nat/ff

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos