Saudita acusado de torturar até a morte 2 etíopes é executado

Riad, 3 out (EFE).- As autoridades da Arábia Saudita executaram nesta segunda-feira em Riad m cidadão dessa nacionalidade, condenado à morte pelo assassinato sob tortura de dois etíopes, informou o Ministério do Interior do país.

Segundo a nota, publicada pela agência estatal "SPA", o saudita ameaçou os etíopes com uma faca para forçá-los a entrar em seu veículo, onde amarrou seus pés e mãos.

O executado reteve suas vítimas sem dar-lhes nem água nem comida até que morreram de inanição, e depois jogou seus corpos em uma área desabitada.

Foi condenado por assassinato e por dirigir sob efeito de drogas, segundo o Interior, que não detalhou no entanto a motivação do crime.

A sentença à pena capital, emitida por uma corte de primeira instância, foi confirmada posteriormente pelos Tribunais de Apelação e pelo Supremo, e ratificada finalmente mediante decreto real.

As organizações de direitos humanos denunciaram que desde a chegada do monarca Salman bin Abdelaziz ao trono saudita, em janeiro de 2015, o número de execuções disparou, passando de 88 em 2014 para 158 no ano seguinte.

A Human Rights Watch (HRW) revelou no final de julho passado que as autoridades sauditas tinham aplicado a pena de morte a 108 pessoas desde o começo de 2016, o que marcaria um posterior aumento das execuções no presente ano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos