Rússia nega que esteja se preparando militarmente para uma nova Guerra Fria

Moscou, 12 out (EFE).- O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, negou nesta quarta-feira que seu país esteja se preparando militarmente para a explosão de uma nova Guerra Fria, como asseguram no Ocidente.

"As atividades planejadas de nossa preparação operacional e combativa são apresentadas como sinais ameaçadores para nossos países vizinhos. Elas servem para alimentar a tese sobre uma ameaça militar, uma nova Guerra Fria, uma nova corrida armamentista", disse o ministro russo a veículos de imprensa locais.

Shoigu acrescentou que, "sem sombra de dúvidas, isto não é assim". Para ele, as forças armadas russas "devem garantir a segurança do país".

"Ultimamente, ouvimos muitas acusações de nossos parceiros ocidentais, preocupados com o crescente nível de preparação e capacidade militar das nossas Forças Armadas. São condições necessárias para garantir a disposição de combate do exército de qualquer país", afirmou o ministro.

Shoigu insistiu que as várias manobras militares organizadas nos últimos meses pelas forças armadas russas "não são sinais contra ninguém e, muito menos, ameaças".

Além do retorno da marinha russa ao Mar Mediterrâneo após 20 anos de ausência (1992-2013) e da intervenção aérea na Síria, a Rússia reforçou nos últimos meses o número de navios no litoral do país árabe, aonde posicionou mísseis antiaéreos S-300 e S-400.

Shoigu também ratificou hoje um acordo para a permanência de seus aviões no aeroporto de Khmeimim, na província síria de Latakia, e anunciou esta semana que transformará o porto de manutenção sírio de Tartus em base naval permanente.

As chancelarias ocidentais também expressaram sua preocupação pelo posicionamento provisório de mísseis táticos Iskander no enclave báltico de Kaliningrado, que faz fronteira com Polônia e Lituânia, países-membros da Otan.

Recentemente, o presidente russo Vladimir Putin anunciou a saída de seu país do tratado de reutilização de plutônio militar, parte do programa de desarmamento estratégico que procura transformar em irreversível o fim da Guerra Fria.

Entre as condições citadas para retornar a esse acordo, Putin mencionou a retirada de tropas e armamento dos EUA nos países da Europa Oriental que passaram a fazer parte da Otan a partir deste século, ou seja, Bulgária, Romênia e os países bálticos.

Putin considera que o escudo antimísseis americano na Europa e na Ásia é uma ameaça direta para a segurança da Rússia, mas descartou que irá cometer o mesmo erro da União Soviética ao se envolver em uma corrida armamentista com os EUA.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos