Putin se reúne com Merkel e Hollande para tratar sobre Síria e Ucrânia

Berlim, 19 out (EFE).- O presidente da Rússia, Vladimir Putin, se reunirá nesta quarta-feira em Berlim com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e os presidentes de França, François Hollande, e Ucrânia, Petro Poroshenko, para abordar a crise ucraniana e a guerra na Síria, com Moscou em rota de choque com seus aliados ocidentais.

"Não se pode esperar nenhum milagre, mas falar sempre é importante, embora as opiniões sejam muito distintas", comentou Merkel, que aparentemente não tem muitas expectativas para a reunião.

O motivo formal do encontro é tentar destravar o conflito no leste da Ucrânia, onde são constantes os enfrentamentos entre as tropas de Kiev e os rebeldes pró-Rússia. No entanto, o drama humanitário na Síria acabou se tornando um dos focos de atenção dessa reunião.

Moscou informou ontem que a força aérea russa e o exército sírio estavam interrompendo seus bombardeios sobre Aleppo para uma trégua humanitária de oito horas anunciada para a quinta-feira, uma paralisação considerada insuficiente pelos aliados ocidentais que lutam contra o Estado Islâmico (EI) na Síria.

Merkel denunciou a situação "desastrosa do ponto de vista humanitário" em Aleppo, "claramente devido aos bombardeios sírios e russos sobre pessoas indefesas, hospitais e médicos" e defendeu que se diminua "de alguma maneira o sofrimento da população civil".

As possibilidades de um acordo são limitadas depois que Putin cancelou na semana passada uma viagem prevista para Paris para inaugurar o maior templo ortodoxo da França, após Hollande afirmar que só o receberia para lhe dizer que sua atitude na Síria era "inaceitável".

Depois, os dois falaram por telefone com Merkel e assentaram as bases para a cúpula de hoje, que, em um princípio, teria seu foco no conflito ucraniano e será organizada no denominado "formato de Normandia", o que inclui o presidente Poroshenko.

Um ano depois que os quatro líderes se reuniram em Paris, também não há expectativas muito altas sobre o conflito ucraniano, segundo afirmou Merkel, o que foi confirmado por Moscou e Kiev em seus comentários anteriores à cúpula.

Poroshenko acusou ontem a Rússia de não cumprir com os acordos de Minsk de fevereiro de 2015 e de manter tropas e armamento no leste da Ucrânia.

O líder ucraniano ressaltou que retirar tropas e armas e devolver o controle das fronteiras à Ucrânia são requisitos necessários para acabar com um conflito do qual, segundo ele, a Rússia é a única culpada.

Em Moscou, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, comentou que não há alternativa para os acordos de Minsk para solucionar a crise no leste da Ucrânia, mas denunciou a "falta de vontade" de Kiev para aplicar esses acordos.

De acordo com a agenda provisória do encontro, Merkel receberá Hollande e Poroshenko na sede do Ministério das Relações Exteriores alemão às 15h15 GMT (13h15 de Brasília), enquanto Putin chegará 45 minutos mais tarde para começar a reunião no formato da Normandia.

Após a reunião, e depois que os presidentes de Ucrânia e Rússia deixarem o local, Merkel e Hollande farão um pronunciamento aos meios de comunicação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos