Ninguém cruzou corredores humanitários em Aleppo devido aos franco-atiradores

Beirute, 20 out (EFE).- Nenhuma pessoa, civil ou combatente, cruzou até o momento algum dos corredores humanitários na cidade de Aleppo estabelecidos pelas autoridades sírias, em parceria com as forças russas devido à presença de franco-atiradores, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Por conta dessa ameaça, a ONG apontou que alguns civis trataram de atravessar desde o leste da cidade, sitiada pelo Exército e controlada pela oposição, ao oeste, dominada pelos soldados governamentais, mas não puderam fazer isso.

A televisão síria informou que as facções armadas atacaram e bateram nos civis que pediram para sair dos distritos orientais de Aleppo.

Antes, a agência russa "Ria Novosti" tinha assegurado que a antiga Frente al Nusra (atual Frente da Conquista do Levante) estava ameaçando executar os habitantes do leste de Aleppo que tratassem de sair pelos corredores humanitários.

Esta informação não foi confirmada por nenhuma outra fonte.

Por outro lado, o Observatório acrescentou que ocorreram combates entre os soldados governamentais e grupos rebeldes e islâmicos na área de Bustan al Qasr, onde caíram vários foguetes que feriram três cidadãos, e no bairro de Al Mashariqa.

Uma "pausa humanitária" de 11 horas começou hoje em Aleppo às 8h local (3h, em Brasília) e se estenderá até as 19h (14h, em Brasília).

A rede síria detalhou que foram habilitados oito corredores, seis para os civis, doentes e feridos, e dois para os combatentes que desejem sair do leste da cidade.

O Comando Geral das Forças Armadas sírias anunciou ontem à noite em comunicado sua decisão de suspender os bombardeios nos bairros orientais.

Ontem à noite saíram os primeiros milicianos opositores, doentes e feridos do leste de Aleppo, segundo as autoridades.

Pelo menos 740 civis morreram, entre eles 145 menores, e cerca de 1,9 mil ficaram feridos em Aleppo desde 19 de setembro, quando acabou o cessar-fogo de uma semana, estipulado pela Rússia e EUA, em todo o país árabe, de acordo com os números do Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos