Número de civis mortos em Aleppo nos últimos 6 meses ultrapassa 2,1 mil

Cairo, 22 out (EFE).- Pelo menos 2.114 civis morreram e cerca de 11 mil ficaram feridos nos últimos seis meses em Aleppo, período em que se intensificaram os bombardeios sobre a cidade, informou neste sábado o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

De acordo com a organização, o número corresponde às vítimas registradas desde 22 de abril até hoje. Entre os mortos, há pelo menos 479 crianças e 262 mulheres. A maior parte dos falecimentos - 1.282 pessoas - ocorreu nos bairros do leste da cidade, sob controle dos rebeldes, alvo de bombardeios russos e sírios.

Por outro lado, nas zonas dominadas pelo regime sírio, no oeste da cidade, pelo menos 667 civis, entre eles 176 menores de idade e 131 mulheres, morreram e outras dezenas ficaram feridas pelo lançamento de foguetes e munição de artilharia contra a região.

O Observatório Sírio pediu o fim do "massacre diário contra os filhos do povo sírio" e punição para os "expedientes dos crimes de guerra e contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional".

Hoje, Aleppo vive as últimas horas da trégua humanitária estabelecida de forma unilateral pela Rússia desde quinta-feira. No entanto, a cessação das hostilidades não conseguiu cumprir o objetivo de produzir a saída de feridos e doentes, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e o próprio Observatório Sírio.

A cidade de Aleppo é disputada pelas forças do regime do presidente do país, Bashar al Assad, e vários grupos rebeldes desde meados de 2012, quando os insurgentes conquistaram várias partes do município, o segundo maior da Síria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos