PSOE se inclina à abstenção para facilitar novo governo na Espanha

Madri, 23 out (EFE).- A direção do Partido Socialista espanhol (PSOE) se reuniu neste domingo em Madri para, previsivelmente, decidir se abster em uma nova votação parlamentar que permita ao conservador Mariano Rajoy, do governamental Partido Popular, formar um Executivo.

Em meio a uma grande expectativa, o debate já começou e, segundo fontes da organização, pode acabar em três ou quatro horas.

Se o chamado Comitê Federal do PSOE, formado por quase 300 membros, optar pela abstenção total ou parcial de seu grupo parlamentar, a Espanha pode ter um novo governo na próxima semana, uma vez que o atual está interino há mais de 300 dias.

Seria, em todo caso, a primeira vez que o histórico Partido Socialista Operário Espanhol facilita um governo conservador desde que o país recuperou seu sistema democrático em 1977, por isso que ao debate causou uma profunda divisão no partido.

No seio desta força política há um setor abstencionista e outro disposto a manter o "não" a Rajoy a todo custo.

Entre estes últimos estão os partidários de ex-secretário-geral Pedro Sánchez, que foi forçado a renunciar em 1 de outubro precisamente por defender essa postura.

Desde então, o PSOE está em mãos de uma comissão gerente que deverá conduzi-lo a um congresso extraordinário para escolher sua comissão executiva.

Sánchez não compareceu hoje à reunião do Comitê Federal.

Caso o Comitê acorde facilitar o governo a Rajoy, a comissão gerente e o grupo parlamentar serão os que determinarão se, na sessão de posse do candidato à presidência, a abstenção é em bloco, parcial ou limitada aos 11 deputados necessários ao candidato para formar um novo Gabinete.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos