Batalha em Mossul gera danos ambientais com impactos à saúde, alerta ONU

Cairo, 27 out (EFE).- Os civis que ainda vivem no norte do Iraque estão sofrendo com doenças respiratórias e asfixia por conta das queimadas feitas pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI) antes de sair de seus redutos durante a ofensiva militar.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) informou nesta quinta-feira que 19 poços de petróleo foram incendiados perto da cidade de Al Qayyarah, ao sul de Mossul, provocando gases tóxicos. A queima de petróleo produz uma ampla gama de poluentes, incluindo fuligem e gases que causam problemas de saúde, como irritação na pele e dificuldades respiratórias.

A ONU indicou que na semana passada as reservas de dióxido de enxofre armazenadas em uma fábrica em Al Qayyarah foram incendiadas, provocando também uma grande nuvem tóxica. Mais de 1.000 pessoas foram atendidas com sintomas de asfixia em hospitais da cidade de Makhmur.

Domingo passado, uma usina de água foi atingida durante os combates, provocando o vazamento de gás cloro que levou 100 pessoas a procurarem atendimento médico.

Em nota, o diretor-executivo do PNUMA, Erik Solheim, advertiu sobre "um desastre prolongado", já que está contaminação transforma as condições de vida em "perigosas e miseráveis" e gera o deslocamento da população.

A ofensiva contra Mossul, a o principal reduto dos terroristas do Estado islâmico no Iraque, começou há 11 dias, mas nos últimos meses ocorreram operações para libertar Al Qayyarah.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos