Novos confrontos deixam 25 mortos na República Centro-Africana

Nairóbi, 29 out (EFE).- Pelo menos 25 pessoas morreram nos últimos dias em novos confrontos entre as milícias cristãs Anti-Balaka e os rebeldes muçulmanos de Séléka na cidade de Bambari, no centro da República Centro-Africana, informou neste sábado a missão da ONU no país (Minusca).

Os incidentes entre estes grupos armados começaram perto de Bambari na quinta-feira, quando 15 pessoas morreram e várias ficaram feridas, e continuaram no dia seguinte com a morte de seis policiais e quatro civis.

Perante esta situação, a Minusca pediu aos grupos armados que "ponham fim aos ataques e às represálias, e que respondam ao pedido de diálogo proposto pelo chefe do Estado".

Para evitar uma escalada da violência e proteger a população civil, a missão da ONU reforçou a presença de seus soldados na cidade, situada 350 quilômetros ao nordeste da capital.

A situação de segurança piorou nos últimos meses na República Centro-Africana, com um aumento dos incidentes de violência tanto na capital como no restante do país, e especialmente no norte, onde há grandes zonas controladas por milícias.

No último mês, dois ataques em campos de refugiados do país causaram mais de 40 mortes, enquanto outras oito pessoas perderam a vida na segunda-feira passada durante um protesto em Bangui para exigir a retirada dos boinas azuis da Minusca.

O país vive um complicado processo de transição desde que em 2013 os ex-rebeldes Séléka derrubaram o presidente François Bozizé, gerando uma onda de violência sectária entre muçulmanos e cristãos que causou milhares de mortos e obrigou cerca de um milhão de pessoas a abandonarem seus lares.

A eleição de Faustin Archange Touadéra como novo presidente em fevereiro deste ano deveria abrir uma nova etapa para a República Centro-Africana, que no entanto ainda tem muitos problemas para controlar os grupos rebeldes em zonas afastadas da capital.

As Nações Unidas têm cerca de 13 mil agentes no país, sendo mais de 10 mil militares e mais de dois mil policiais, a fim de ajudar a estabilizar a situação após anos de conflito armado, e recentemente aprovaram prolongar a missão até novembro de 2017.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos