Relatório indica que ONU fracassou em resposta à violência no Sudão do Sul

Nações Unidas, 1 nov (EFE).- A falta de liderança, de preparação e de coordenação dos "boinas azuis" enviados ao Sudão do Sul levou a uma resposta "ineficaz" violência registrada em julho em Juba, capital do país, segundo um relatório divulgado pela ONU.

A pesquisa, realizada por uma equipe independente, é muito crítica em relação à gestão da crise feita pela ONU. A atuação das Nações Unidas também foi questionada por várias ONGs.

Segundo o relatório, as forças de paz da ONU fracassaram na hora de proteger os civis, descumprindo assim o mandato da missão. Após a publicação, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, determinou a demissão do comandante das forças de organização no Sudão do Sul.

No início de julho, Juba foi palco de intensos combates entre facções leais ao presidente do país, Salva Kiir, e seu então vice-presidente e oponente político, Riek Machar. Em questão dias, os confrontos deixaram dezenas de mortos e obrigaram milhares de pessoas a deixar suas casas.

Durante e depois da violência, foram registrados, além disso, vários casos de abusos sexuais, indicou a ONU. Os "boinas azuis" foram acusados de permitir que os soldados sul-sudaneses cometessem alguns desses crimes.

De acordo com o relatório, não foi possível confirmar as acusações, mas há informações que apontam para uma "fraca atuação" dos "boinas azuis" para proteger a população dos abusos.

O texto cita como exemplo um episódio ocorrido em 2 de setembro, quando uma mulher foi atacada a metros da entrada de um acampamento protegido pela ONU e os "boinas azusi" não fizeram nada.

A investigação, liderada pelo general holandês Patrick Cammaert, concluiu que "a falta de liderança por parte do comando da missão culminou em uma resposta caótica e ineficaz contra a violência".

Entre outras coisas, o relatório indica que a missão não operou de forma unificada e que os soldados dos quatro países presentes na região - China, Etiópia, Nepal e Índia - receberam ordens diferentes e contraditórias em algumas ocasiões.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos