ONU adverte que violência no Sudão do Sul poderia derivar em genocídio

Juba, 11 nov (EFE).- O enviado especial da ONU para a prevenção do genocídio, Adama Dieng, advertiu nesta sexta-feira que a atual violência no Sudão do Sul e "a propagação do ódio étnico poderiam derivar em genocídio se não foi feito algo para detê-lo".

Por isso, Dieng pediu às autoridades do Sudão do Sul que protejam os civis para evitar mais agressões étnicas, em entrevista à imprensa na sede da missão da ONU em Jubá.

No final de sua visita ao país, que começou na segunda-feira passada, o enviado garantiu que por enquanto "não há genocídio no Sudão do Sul, mas o perigo que levaria a este ato aumenta".

"O genocídio não ocorre em um só dia, por isso é preciso impedi-lo", ressaltou Dieng, insistindo que "o terreno já está preparado para um genocídio no Sudão do Sul".

O responsável da ONU disse, além disso, que durante sua visita aos acampamentos de deslocados estabelecidos pela ONU em Juba e Yei, situado ao sul da capital, comprovou "a falta de confiança entre o Exército e os civis".

A população fala "de soldados indisciplinados, divididos em diferentes grupos armados que o governo não pode controlar. Já não os veem como protetores", lamentou.

Dieng aconselhou as autoridades do governo a aplicarem o artigo das sanções para apresentar os envolvidos em atos de violência contra os civis perante a justiça imediatamente e evitar que saiam impunes.

O enviado opinou que devem ser julgados porque "as violações seguem até agora e a violência se renova de forma diária, por isso que desta forma não há esperança de reconciliação no Sudão do Sul".

Em 4 de agosto, as forças governamentais do Sudão do Sul estupraram mulheres, efetuaram execuções e saquearam em massa, segundo dados da ONU publicados então.

Além disso, um total de 95 civis morreram entre agosto e outubr em diferentes atos de violência nas estradas que comunicam a capital Juba com outras cidades do Sudão do Sul.

O conflito explodiu em dezembro de 2013 quando depois que o presidente sul-sudanês, Salva Kiir, de etnia dinka, acusou seu ex-vice-presidente, Riek Machar, da tribo nuer, de tentativa de golpe de Estado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos