"Calexit": Secessão da Califórnia volta a ser debatida após eleição de Trump

Antonio Martín Guirado.

Los Angeles (EUA), 15 nov (EFE).- A secessão da Califórnia, uma ideia promovida no ano passado pela campanha "YesCalifornia", ganhou novo fôlego no dia 8 de novembro, quando o termo "Calexit" começou a ser tendência nas redes sociais após a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais nos Estados Unidos.

O objetivo do "Calexit", um trocadilho relacionado com o "Brexit" (acrônimo referente à saída do Reino Unido da União Europeia), é propor para o ano de 2019 um referendo com seus moradores sobre a independência ou a continuidade da Califórnia - sexta maior economia do mundo - como estado americano.

A proposta, que nasceu em 2015 graças ao político Louis Marinelli, encontrou maiores apoios com a constatação de que a candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, obteve 61,5% dos votos (quase 5,5 milhões) na Califórnia durante as eleições presidenciais.

"Se Donald Trump é a cara dos EUA hoje, então nós precisamos de outra para a Califórnia. Queremos que a Califórnia seja uma nação", disse Marinelli à Agência Efe em entrevista realizada em setembro do ano passado.

"Ser californiano é mais uma mentalidade que uma origem étnica ou um idioma. Eu não aceitei ou aprendi esses valores até que vim pra cá em 2006. Pensamos que a Califórnia é uma nação dentro de outra nação. Não propomos uma secessão total", comentou Marinelli, porta-bandeira do movimento nacionalista californiano residente em San Diego.

A visão de Marinelli para a Califórnia dentro dos EUA é similar à forma como a Escócia se relaciona com o resto do Reino Unido.

A Califórnia "é mais potente economicamente que a França e tem uma população maior que a da Polônia", destaca o site da campanha "YesCalifornia".

"Ponto por ponto, a Califórnia se compara e compete com países, não só com os outros 49 estados", acrescenta.

Além disso, o portal lembra que o "estado dourado" produz quase um terço dos vegetais do país e dois terços de suas frutas, além de ser, segundo análises oficiais, um dos estados menos dependentes do governo federal.

A campanha viu seu acompanhamento nas redes sociais reforçado imediatamente depois do "Brexit", passando a ter cerca de 7.000 "curtidas" no Facebook e 650 seguidores no Twitter. Desde então, e especialmente após a vitória de Trump, esses números subiram para 22.000 e 9.000, respectivamente.

"O 'Brexit' foi o primeiro movimento ocidental separatista que funcionou, e acredito que será muito profundo", afirmou Marinelli recentemente à revista "Newsweek".

Seguindo o exemplo de Marinelli, e embora muitos duvidem que a Califórnia possa sobreviver como nação soberana, o movimento "Calexit" chamou a atenção de importantes executivos do Vale do Silício.

Um deles é o iraniano Shervin Pishevar, um dos primeiros investidores no serviço de veículos Uber, que agora se propôs a lançar sua própria iniciativa, New California (Nova Califórnia), para conseguir a independência do estado.

"É a coisa mais patriótica que posso fazer. O país está em uma séria encruzilhada", comentou Pishevar em declarações ao portal "CNBC", onde descreveu seu plano para que o estado se transforme em "catalisador para um diálogo nacional", já que considera que os Estados Unidos atingiram um "momento crítico".

Em sua opinião, o país precisa "enfrentar os problemas sistemáticos que esta eleição revelou".

O primeiro passo dado por Pishevar nessa direção foi renunciar a seu posto no Conselho Escolar Internacional J. William Fulbright, formado por 12 personalidades diretamente escolhidas pelo presidente dos Estados Unidos.

Em sua carta a Barack Obama, Pishevar alegou que não pode "servir com boa consciência ao presidente Trump".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos