França manterá estado de emergência durante eleições de 2017

Paris, 15 nov (EFE).- O governo da França pretende prolongar o estado de emergência, em vigor desde os atentados jihadistas de Paris de 13 de novembro de 2015, durante as eleições de 2017, ano no qual a França realizará pleitos presidenciais e legislativos.

O primeiro-ministro Manuel Valls confirmou hoje, como já tinha antecipado no domingo, que vai propor ao parlamento um novo prolongamento do estado especial - que expira em janeiro - durante a sessão de controle do Executivo.

Valls justificou a medida citando "lucidez sobre a ameaça", levando em conta que a França está envolvida militarmente na luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico na Síria e no Iraque, o "nível" de risco de novos atentados e o fato de que há "uma fase eleitoral e a democracia está particularmente no ponto de mira dos terroristas".

O primeiro-ministro lembrou que há "milhares de jovens" radicalizados, mas também que graças à mobilização das autoridades "todos os dias, todas as semanas, se desmantelam redes terroristas", se produzem detenções e "se evitam atentados".

Valls não se privou de assinalar que todos devem assumir suas responsabilidades contra o jihadismo, que "a França assumiu as suas" com suas operações militares no Sahel, na Síria e no Iraque, mas que "a Europa deve assumir as suas" também com a proteção de suas fronteiras ou o combate de grupos terroristas.

O estado de emergência permite, entre outras coisas, que a polícia realize buscas em domicílios ou que se limite por ordem administrativa os movimentos de pessoas suspeitas de vínculos terroristas, tudo isso sem necessidade de uma ordem judicial.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos