Centros de votação fecham as portas em eleições gerais no Haiti

Porto Príncipe, 20 nov (EFE).- As seções eleitorais do Haiti fecharam suas portas neste domingo às 16h locais (19h de Brasília), após uma jornada que transcorreu com normalidade, exceto por alguns incidentes isolados, e que foi convocada para escolher o presidente depois que o pleito de 2015 foi anulado por supostas irregularidades.

Pouco mais de 6 milhões de eleitores estavam registrados para escolher entre os 27 candidatos à presidência do Haiti e também votaram nos legisladores para completar as duas câmaras do Congresso Nacional.

Os resultados do pleito só serão conhecidos dentro de uma semana e, caso nenhum dos candidatos presidenciais obtenha 50% dos votos mais um, o segundo turno será realizado em 29 de janeiro.

Pouco antes do fechamento dos centros de votação, o Conselho Eleitoral Provisório (CEP) insistiu que a jornada transcorreu com calma, mas admitiu que foi necessário a presença da polícia em algumas seções por incidentes isolados, e que várias pessoas acabaram detidas por tentarem criar distúrbios.

Em entrevista à imprensa, o presidente do CEP, Leopold Berlange informou que dois centros de votação, um em Roseau (sul) e outro em Valière (norte), não abriram suas portas, pois não receberam a tempo o material eleitoral.

No entanto, Berlange reiterou que, no geral, as eleições transcorreram sem incidentes consideráveis.

O chefe da missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (MOE/OEA), o uruguaio Juan Raúl Ferreira, afirmou por sua vez que a jornada se desenvolveu dentro da normalidade, mas que os observadores da OEA receberam algumas denúncias isoladas.

Além do atraso na abertura de algumas seções, os observadores da OEA reportaram que a jornada transcorreu "com certa normalidade e com uma afluência razoável de eleitores", afirmou Ferreira.

Nas eleições de hoje, voltaram a se apresentar como candidatos Jovenel Moise, do Partido Haitiano Tet Kale (PHTK); e Jude Celestin, da Liga Alternativa pelo Progresso e a Emancipação Haitiana (LAPEH), que obtiveram, respectivamente, 32,81% e 25,27% dos votos nas eleições canceladas de 2015.

O pleito deveria ter sido realizado em 9 de outubro, mas acabou sendo adiado devido à situação de calamidade deixada pela passagem do furacão Matthew em 4 de outubro, quando o ciclone deixou pelo menos 573 mortos e cerca de 175 mil desabrigados, provocando no país uma das piores crises humanitárias depois do forte terremoto de 2010.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos