Trump ataca "The New York Times" e principais emissoras de TV dos EUA

Washington, 22 nov (EFE).- O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, lançou nas últimas horas vários ataques contra o jornal "The New York Times" e contra famosos apresentadores das principais emissoras de TV do país, acusando-os de ter atuado de forma "injusta e desonesta" durante a campanha.

Trump fez ontem uma reunião a portas fechadas na torre que leva seu nome em Manhattan, em Nova York, com diretores dos principais canais de televisão e seus mais prestigiados jornalistas, segundo vários veículos da imprensa local, como "The Washington Post".

No encontro, Trump se mostrou desafiante e criticou a maneira pela qual as emissoras cobriram a campanha presidencial, que foi concluída com a vitória do empresário republicano.

O presidente eleito, em um movimento inédito na história recente dos EUA, se dirigiu especificamente aos apresentadores e diretores das emissoras "CNN" e "NBC" para criticar o que ele considerou como uma "cobertura injusta", segundo o "The Washington Post", que ouviu quatro pessoas presentes à reunião.

As fontes consultadas pelo jornal foram ouvidas sob condição de anonimato porque o encontro era confidencial. Nem mesmo as emissoras estão autorizadas a falar sobre o que foi falado na Trump Tower.

Hoje, Trump iniciou um novo capítulo em sua particular guerra contra os veículos de imprensa ao anunciar, pelo Twitter, que cancelaria uma reunião que teria com o "The New York Times" porque o jornal tinha decidido mudar as regras do encontro de última hora, fato negado por porta-vozes do jornal nova-iorquino.

"Cancelei o encontro com o fracassado @nytimes quando vi que os termos e as condições da reunião tinham sido mudadas no último momento. Isso não é legal", disse Trump pelo Twitter, plataforma usada pelo republicano para se comunicar desde a eleição.

"Talvez volte a me reunir com o @nytimes. Nesse meio tempo, eles continuarão me cobrindo incorretamente e com um tom desagradável", completou o presidente eleito dos EUA.

Trump publicou mensagens no Twitter quase todos os dias desde que foi eleito, uma forma de comunicação que o permitiu emitir opiniões sem a necessidade da imprensa, chamada pelo republicano de "desonesta, repugnante e lixo" durante a campanha presidencial.

Além disso, ontem, Trump divulgou um vídeo no qual elencou as prioridades para os primeiros cem dias na Casa Branca. Ele disse planejar colocar os Estados Unidos em primeiro lugar com a renegociação de tratados comerciais e a criação de empregos.

"Na imigração, vou ordenar o Departamento de Trabalho que averigue todos os abusos de vistos", destacou Trump no vídeo, divulgado no Facebook.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos