Facções rebeldes pedem "trégua humanitária" de 5 dias em Aleppo, na Síria

Beirute, 7 dez (EFE).- As facções rebeldes de Aleppo, no norte da Síria, pediram nesta quarta-feira "uma trégua humanitária" de cinco dias após os últimos avanços do exército de Bashar al Assad e seus aliados, que já controlam mais de 70% da metade oriental da cidade.

"Nós das facções revolucionárias armadas de Aleppo afirmamos que não poupamos esforços para deter as baixas de civis e seu sofrimento", afirmou o opositor Conselho do Comando de Aleppo.

Com este fim, os grupos insurgentes apresentaram uma série de propostas entre as quais está a citada trégua.

Os rebeldes também propõem uma evacuação médica de doentes e feridos, que necessitem de tratamento urgente e que calculam que são cerca de 500, sob a supervisão da ONU e com garantias de segurança.

Além disso, os opositores sugerem a retirada dos civis dos bairros sitiados de Aleppo para áreas do norte da província homônima, se eles assim quiserem.

Após a melhora da situação humanitária, "as partes interessadas realizarão conversas sobre o futuro da cidade", diz o texto.

"Apoiaremos qualquer iniciativa regional ou internacional para aliviar o sofrimento de nosso povo", afirmaram os rebeldes, que também lembraram que aceitaram propostas anteriores da União Europeia e das Nações Unidas.

Os opositores enfatizaram que "a cidade sofre um assédio horrível e bombardeios violentos em níveis jamais vistos na história".

Além disso, os insurgentes chamaram a atenção da comunidade internacional para seus temores do que o regime de Bashar al Assad poderia fazer com os civis que fugiram dos distritos assediados.

Na nota, os rebeldes destacaram que centenas de jovens foram capturados pelos soldados governamentais e seus aliados, e que permanecem em paradeiro desconhecido, além de várias mulheres que foram violentadas durante as operações de detenção.

Desde 15 de novembro, o exército sírio desenvolve uma ofensiva contra os grupos opositores no leste de Aleppo.

Nas últimas horas, os soldados leais a Assad assumiram o controle da parte antiga da população, depois que os insurgentes recuaram. EFE

ssa/rpr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos