FSD anunciam 2ª fase de ofensiva contra Al Raqqa, reduto do EI na Síria

Beirute, 10 dez (EFE).- A aliança armada curdo-árabe Forças da Síria Democrática (FSD) anunciou neste sábado o início da segunda fase da ofensiva "Ira do Eufrates" para expulsar o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) da província de Al Raqqa, seu principal reduto na Síria.

Em comunicado, as FSD explicaram que já concluíram a primeira etapa da campanha militar, na qual tomaram dos jihadistas 700 quilômetros quadrados e dezenas de povoados, assim como vilarejos e caminhos estratégicos, no norte da região.

As FSD afirmaram que romperam as linhas de defesa dos radicais no norte de Al Raqqa, o que permitiu que a aliança curdo-árabe pudesse garantir a segurança nas áreas sob seu domínio, além de "salvar milhares de civis e libertar centenas de famílias que estavam em áreas controladas pelo EI, com a abertura de corredores seguros".

A segunda fase terá como objetivo "liberar completamente" áreas do oeste da província, além de isolar sua capital homônima, que é considerada o principal bastião do califado autoproclamado pelo EI na Síria e no Iraque em junho de 2014.

Com esse objetivo, as FSD anunciaram a adesão de novos contingentes armados nesta ofensiva como o Conselho Militar de Deir ez Zor, as forças de elite da Corrente do Amanhã Sírio e a Brigada dos Revolucionários de Al Raqqa.

Também se juntaram à luta contra o EI, 1.500 combatentes árabes originais da cidade de Al Raqqa e de outras partes da província.

Esses guerrilheiros receberam treinamento e armas da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, diz o texto.

As FSD qualificaram de "positiva" a coordenação com a coalizão e acreditam que esta parceria será mais forte e influente na segunda etapa, "até a vitória completa contra o terrorismo".

No Bahrein, o secretário de Defesa dos EUA, Ashton Carter, revelou hoje que seu país enviará 200 efetivos adicionais à Síria para oferecer apoio às milícias curdo-árabes que lutam contra o EI em Al Raqqa.

Por outro lado, as FSD adiantaram que "a missão de libertar e proteger Al Raqqa" será responsabilidade dos combatentes procedentes desta província que participam da ofensiva e assinalaram que a administração que será criada após sua conquista será civil e com representantes de todas as minorias.

Por último, as FSD pediram aos moradores da cidade de Al Raqqa e de outras áreas da região que se afastem dos lugares controlados pelo EI e que cumpram com as resoluções das FSD para sua segurança e proteção.

As FSD iniciaram no dia 6 de novembro a primeira fase de sua ofensiva em Al Raqqa, na qual vêm contando com cobertura aérea da coalizão internacional.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos