Alemanha não reconhecerá Taiwan e reafirma política de "uma China única"

Berlim, 12 dez (EFE).- A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou nesta segunda-feira que seu governo não tem a intenção de reconhecer Taiwan como país, após a conversa que o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve com a chefe de governo taiuanesa, Tsai Ing-wen.

Merkel fez essas declarações na entrevista coletiva posterior a seu encontro na Chancelaria com o primeiro-ministro da Croácia, Andrej Plenkovic, após ser perguntada se pensava em seguir os passos do republicano e telefonar para a presidente taiuanesa.

"Vamos seguir na política de 'uma China única' e não vamos mudar nossa postura", comentou a chefe do governo alemão.

Assim, Merkel se referia à postura mantida pela maioria dos países, por exigência de Pequim, de considerar que só existe uma China, a República Popular, o que implica não ter laços diplomáticos com Taiwan.

No início de dezembro, Tsai ligou para Trump para parabenizá-lo por sua vitória nas eleições presidenciais e ambos mantiveram uma conversa de aproximadamente dez minutos, o que supôs o primeiro contato formal de alto nível entre Estados Unidos e Taiwan em quase 40 anos.

A China, o principal parceiro comercial dos Estados Unidos, considera Taiwan uma província "rebelde" de seu território, por isso seu governo emitiu um protesto formal por essa ligação telefônica. EFE

jpm/rpr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos