Líderes de rebelião que terminou com 56 mortes em Manaus serão transferidos

São Paulo, 3 jan (EFE).- Os líderes da rebelião que terminou ontem com 56 mortos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, serão transferidos para prisões federais, confirmaram nesta terça-feira fonte oficiais.

Depois de se reunir com as autoridades do estado do Amazonas, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, informou na noite de segunda-feira que os principais responsáveis do massacre serão identificados e transferidos para outras prisões do país.

Moraes também lembrou que o governo liberou recentemente mais de R$ 1 bilhão para criar novas vagas no sistema penitenciário, que sofre com graves problemas de superlotação.

Após o massacre em Manaus, o ministro da Justiça afirmou que o governo estuda implantar três medidas "fundamentais" no menor tempo possível para conter novas rebeliões e que, na sua opinião, foram "ignoradas" nos últimos anos no Brasil.

Moraes ressaltou a necessidade de implementar um serviço de inteligência nos presídios, sugeriu um aumento dos investimentos para instalar sistemas de bloqueio de telefones celulares no interior das prisões e pediu a separação dos presos mais perigosos do restante dos réus.

O ministro se reuniu na noite de ontem com o governador do Amazonas, José Melo, com quem analisou a crise no sistema prisional do estado.

O Comitê de Gerenciamento de Crise da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas confirmou que 56 presos morreram no Compaj, o que o transforma no segundo maior massacre da história carcerária do país.

Outros quatro detentos foram assassinados na Unidade Prisional de Puraquequara (UPP), na zona rural de Manaus, e houve rebeliões em outras duas unidades do estado.

A rebelião no Compaj começou na tarde de domingo, quando membros da organização criminosa Família do Norte (FDN), que mantêm o controle sobre a unidade, iniciaram uma disputa com integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), que opera em São Paulo.

O motim deixou um rastro de sangue no presídio, onde dezenas de pessoas foram brutalmente assassinadas, algumas delas esquartejadas e decapitadas, e amontonadas em diversas áreas comuns do complexo.

No total, 184 pessoas fugiram durante as rebeliões registradas entre domingo e segunda-feira, e as autoridades conseguiram recapturar pelo menos 40.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos