Ex-chefe de CIA renuncia como assessor de Trump por polêmica de ciberataques

Washington, 6 jan (EFE).- O ex-diretor da CIA James Woolsey anunciou nesta sexta-feira sua renúncia ao posto de assessor do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, pelo ceticismo expressado pelo magnata sobre as acusações à Rússia de ser responsável por ciberataques para beneficiá-lo nas eleições.

"Realmente não estavam me chamando para participar das reuniões nem do trabalho de transição", declarou Woolsey à emissora "Fox News".

O porta-voz de Woolsey, Jonathan Sparks, emitiu antes um comunicado informando que o diretor da CIA entre 1993 e 1995, durante o primeiro governo de Bill Clinton, renunciava e desejava sorte a Trump.

O anúncio de Woolsey acontece em meio à polêmica gerada após o governo do presidente Barack Obama, com o apoio dos serviços de inteligência, acusar a Rússia de ciberataques.

O presidente eleito se reuniu nesta sexta-feira com altos cargos de inteligência da Administração de Obama para se inteirar das investigações sobre os ciberataques russos nas eleições de novembro, que colocaram em dúvida a legitimidade de sua vitória.

O governo de Obama impôs na semana passada, como represália, sanções diplomáticas e econômicas à Rússia, ao que Trump respondeu dizendo que era hora de se concentrar em temas "maiores e mais importantes", pondo em dúvida o envolvimento russo nos ciberataques.

"Realmente já não estava tendo funções de assessor", ressaltou em outra entrevista Woolsey, que se uniu à campanha do magnata nova-iorquino em setembro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos