EI retira tropas de Al Raqqa para reforçar outras frentes, diz OSDH

Cairo, 8 jan (EFE).- O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) retirou cerca de 150 combatentes nas últimas 48 horas de Al Raqqa, principal reduto dos jihadistas na Síria, para enviá-los a outras frentes, informou neste domingo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

O grupo, no qual havia combatentes e vários líderes, saiu da cidade em aproximadamente 20 veículos carregados com armas e peças de artilharia, acrescentou o OSDH.

Seus destinos são a região de Al Furat, no leste da Síria, e a região iraquiana de Al Qaahim, segundo o OSDH.

Por outro lado, um líder local do EI morreu em bombardeios da coalizão internacional contra a cidade de Kasrat Sheikh al Juma, ao sul de Al Raqqa, indicou o OSDH em outro comunicado.

De forma paralela, violentos enfrentamentos aconteceram hoje entre a aliança Forças da Síria Democrática (FSD), composta por grupos curdos, árabes, e outras minorias étnicas e religiosas sírias, e o EI na cidade de Al Suidiyeh Sghireh, a oeste de Al Raqqa.

As FSD, que contam com apoio de aviões da coalizão internacional e de forças especiais americanas, iniciaram no dia 6 de novembro a operação "Ira do Eufrates", cujo objetivo é expulsar o EI de Al Raqqa.

O progresso das FSD nos últimos dias levou o EI a transferir mais de 150 prisioneiros, a maioria curdos, da prisão de Al Tabqa para outros lugares, segundo o OSDH.

Al Tabqa, situada cerca de 55 quilômetros a oeste da cidade de Al Raqqa, abriga o maior centro de detenção do grupo jihadista na Síria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos