Procurador-geral de Trump diz que imigração diminui salários nos EUA

Washington, 10 jan (EFE).- O senador Jeff Sessions, indicado por Donald Trump para ser seu procurador-geral, considerou nesta terça-feira que a chegada de milhões de imigrantes aos Estados Unidos diminui os salários dos americanos por baratear a mão-de-obra.

"Não acredito que os americanos queiram acabar com a imigração, mas acho que ela afeta os salários", disse Sessions perante o comitê judicial do Senado, onde os legisladores avaliam sua designação para ser o titular de Justiça dos Estados Unidos no governo de Trump.

Conhecido por suas duras posturas migratórias, Sessions mostrou sua oposição à chegada de milhões de imigrantes ilegais por achar que dificulta a procura por emprego, dada a grande quantidade de pessoas em busca de trabalho.

"Creio que, em muitas ocasiões, o Congresso foi complacente ao apoiar leis que fariam os grandes empresas felizes, mas que teriam um impacto nos salários", disse.

No Senado, Sessions se tornou uma das vozes mais duras contra os projetos legislativos debatidos no Congresso em 2007 e 2013 a fim de abrir caminho à cidadania americana para alguns dos cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais que vivem no país.

O senador pelo Alabama também foi contra conceder vistos a estrangeiros para trabalhar em postos de alta qualificação e, em 2007, conseguiu aprovar uma lei que proíbe a contratação imigrantes ilegais por empresas que trabalham para o governo, medida que tentou estender a todo o setor empresarial.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos