Trump concederá nesta quarta-feira a 1ª coletiva em mais de cinco meses

Nova York, 10 jan (EFE).- O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, concederá nesta quarta-feira a primeira entrevista coletiva em mais de cinco meses, na qual deverá tentar explicar assuntos que deixou sem resposta e esclarecer dúvidas sobre seu governo.

A entrevista coletiva, que será realizada em Nova York a partir das 11h (hora local; 14h em Brasília), será a primeira desde a que ocorreu na Flórida no dia 27 de julho do ano passado, que foi convocada com poucas horas de antecedência.

A coletiva "geral", como disse Trump, foi anunciada no dia 3 de janeiro pelo presidente eleito. E embora os porta-vozes do magnata tenham confirmado o ato, deixaram para a última hora a divulgação de detalhes como o lugar do evento.

Esta será a primeira vez em que os jornalistas poderão questionar Trump sobre temas repercutidos pela imprensa desde as eleições do dia 8 de novembro do ano passado.

Trump concederia uma entrevista coletiva em 15 de dezembro, segundo havia anunciado duas semanas antes, para esclarecer o que faria com seus bens pessoais antes de chegar à Casa Branca, no dia 20 de janeiro. Mas o evento foi adiado, com a desculpa de que o presidente eleito estava ocupado com a formação do gabinete que o acompanhará no governo a partir da semana que vem.

Esse é um dos grandes temas que deverão ser mencionados por Trump nesta quarta-feira. Embora, legalmente, o magnata não tenha a obrigação de se desprender dos bens que poderiam criar conflitos de interesse, ele anunciou que passará os negócios a família.

No entanto, não deu detalhes sobre quem se encarregará disso e como tudo será feito. Os negócios de Trump são concentrados fundamentalmente no setor imobiliário.

Muitas dúvidas também envolvem a situação de seu genro, o empresário imobiliário Jared Kushner, que foi designado na segunda-feira como futuro assessor sênior presidencial e que também tem deve esclarecer assuntos nesse sentido.

Em breve conversa com jornalistas na segunda-feira, na Trump Tower, o presidente eleito antecipou que na entrevista coletiva esclarecerá quais passos serão adotados para cumprir a promessa de pedir a derrubada do programa de saúde conhecido como 'Obamacare'.

Esse plano surgiu por causa da Lei de Proteção ao Paciente e de Cuidado de Saúde e permitiu a extensão de um plano de saúde a milhões de americanos, mas Trump quer acabar com ele, embora não tenha esclarecido como será feita a substituição.

"Falaremos sobre isso na quarta-feira", prometeu Trump na segunda-feira.

No Congresso americano surgiram dúvidas entre legisladores republicanos sobre a inconveniência de derrubar o programa 'Obamacare' sem que se tenha estabelecido uma alternativa ou medidas transitórias.

Segundo informou nesta terça-feira Sean Spicer, o porta-voz da equipe de Transição Presidencial, Trump havia reservado várias horas de hoje para analisar com assessores temas ligados aos programas de saúde.

O presidente eleito chega à entrevista coletiva ainda sem ter definido os titulares de duas pastas do gabinete, Agricultura e Assuntos de Veteranos.

Para a primeira, o favorito, segundo a imprensa americana, é o ex-governador da Geórgia Sonny Perdue. Para a segunda, o nome mais ventilado é o de Leo Mackay, que já trabalhou no Departamento de Assuntos de Veteranos e agora é diretor da empresa Lockheed Martin. EFE

ag/vnm

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos