Ex-espião que elaborou dossiê sobre Trump é "muito bem avaliado", diz jornal

Londres, 13 jan (EFE).- Christopher Steele, o ex-espião do MI6, o serviço secreto do Reino Unido, que aparentemente elaborou o dossiê sobre o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, é um profissional "muito bem avaliado" e considerado um dos melhores especialistas em assuntos russos, disse um amigo seu ao jornal "The Guardian".

O ex-agente do serviço secreto britânico, de 52 anos, foi identificado por veículos de imprensa dos EUA e do Reino Unido como o autor do polêmico relatório sobre os supostos vínculos de Trump com os ciberataques russos durante a campanha eleitoral americana.

Segundo a imprensa britânica, Steele está escondido porque teme represálias da Rússia, mas os companheiros que trabalharam com ele destacaram que trata-se de um profissional muito rigoroso, alguém que acreditam ser incapaz de passar informações falsas.

Um ex-funcionário do Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido que conhece Steele há 25 anos e é seu amigo disse ao "Guardian" que é "falso" pensar que o ex-espião possa ter transmitido informações sem fundamento.

"A ideia de que seu trabalho é falso é totalmente inexata. Chris é um profissional com experiência e muito bem avaliado. Não é o tipo de pessoa que costuma fazer fofoca", disse o antigo funcionário sem revelar sua identidade.

"Se ele escreve algo em algum relatório, é porque acredita que isto é suficientemente crível para que mereça ser considerado. Chris é uma pessoa muito direta", acrescentou a fonte.

Embora as informações sobre Steele sejam escassas, a imprensa afirma que ele é formado pela Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e um dos mais destacados especialistas em Rússia no MI6, serviço que deixou em 2009 para se dedicar a atividades particulares.

Além disso, Steele viveu dois anos na Rússia no início da década de 1990 e conseguiu construir uma rede de contatos graças a velhas técnicas, como sair, conhecer gente, fazer amigos e pagar por informações, afirmou o "The Guardian".

O ex-agente do MI6 é um dos fundadores da companhia de investigação Orbis Business Intelligence Ltd, com sede em Londres, especializada em realizar investigações para empresas.

Segundo os veículos de imprensa, foi ele quem preparou o documento que afirma que o Kremlin se relacionou com a campanha eleitoral de Trump e que os serviços secretos russos têm material sensível sobre o presidente eleito que poderia ser utilizado contra ele.

O trabalho de Steele foi financiado, segundo os veículos de imprensa, primeiro pelos republicanos contrários a Trump, e depois pelos democratas, durante a campanha eleitoral dos EUA no ano passado.

O presidente eleito, que assumirá o cargo no próximo dia 20, qualificou as acusações de falsas.

O dossiê de Steele, de 35 páginas, contém vários relatórios elaborados durante um período de seis meses, ao qual jornalistas nos EUA tiveram acesso, mas o mesmo só obteve crédito quando as emissoras americanas informaram que Trump e o ainda presidente Barack Obama receberam do FBI um resumo de seu conteúdo.

Trump admitiu na quarta-feira que a Rússia está por trás dos ciberataques nas eleições, mas negou qualquer vínculo com eles, enquanto atacou alguns meios de comunicação que publicaram essa informação, os tachando de "lixo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos