PM confirma morte de pelo menos 25 detentos em rebelião em presídio no RN

São Paulo, 15 jan (EFE).- A Polícia Militar do Rio Grande do Norte confirmou à Agência Efe a morte de pelo menos 25 detentos na rebelião que começou na tarde de sábado e terminou na manhã deste domingo na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nisia Floresta, na região metropolitana de Natal.

Inicialmente, a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc), órgão responsável pelo sistema carcerário no Rio Grande do Norte, divulgou um relatório oficial indicando a morte de dez presos depois de a Polícia Militar ter entrado pacificamente na prisão para reassumir o controle do local após mais de 14 horas de rebelião.

A própria Sejuc elevou o número de mortos para 15 posteriormente, mas em vídeos feitos pelos próprios presos que começaram a circular pelo aplicativo WhatsApp era possível contabilizar até 20 corpos.

O diretor do Instituto Técnico de Perícia do Rio Grande do Norte (Itep), Marcos Brandão, disse que disponibilizou 300 bolsas mortuárias e um contêiner frigorífico para receber os corpos dos detentos caso o número siga aumentando. Existem relatos que muitos dos mortos foram lançados em fossas do complexo penitenciário.

A entrada da polícia começou de maneira gradual desde a noite de sábado, primeiro na parte externa e depois nos pátios e pavilhões do complexo penitenciário, o maior do Rio Grande do Norte.

De acordo com as primeiras informações das autoridades, uma briga entre duas facções rivais de detentos gerou confrontos, assim como em outras penitenciárias do país nos últimos dias.

A Sejuc disse que a penitenciária de Alcaçuz abriga 1.150 presos, mas sua capacidade é para apenas 620.

O Sindicato dos Agentes Penitenciários do estado denunciou que no sábado, antes do motim, que começou às 17h (hora local; 18h de Brasília pelo horário de verão), um veículo foi ao complexo, e homens que estavam nele entregaram armas aos detentos por um dos muros.

Em comunicado, a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed) afirmou que as mortes são "resultado de uma disputa entre facções rivais", e o governo estadual disse, por sua vez, que "estão sendo coletadas as informações sobre a participação dessas facções criminosas" na rebelião.

Pelo Twitter, o presidente Michel Temer indicou que está "acompanhando" a situação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos