Kremlin nega acordo sobre reunião entre Putin e Trump em terreno neutro

Moscou, 16 jan (EFE).- O Kremlin negou nesta segunda-feira que haja um acordo sobre uma reunião entre o líder russo, Vladimir Putin, e o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, em terreno neutro.

"Todas as informações de acordos preliminares sobre uma reunião (entre Putin e Trump) não correspondem com a realidade", disse o porta-voz da presidência russa, Dimitry Peskov.

Peskov ressaltou que os líderes, que já conversaram por telefone antes da posse do americano em 20 de janeiro, não abordaram "em hipótese alguma" a possibilidade de uma futura reunião, nem há preparativos em andamento para tal.

O porta-voz russo insistiu que ambos nem sequer mantiveram contatos oficiais e só a embaixada russa em Washington se comunicou com a equipe de Trump por motivos protocolares.

O jornal britânico "Sunday Times" informou sobre um em breve encontro entre Putin e Trump em Reykjavík (Islândia), onde há 30 anos foi realizada a histórica cúpula entre Mikhail Gorbachev, então líder da União Soviética, e Ronald Reagan, presidente americano.

A reunião foi um marco que costurou as bases do início do processo de desarmamento nuclear e pavimentou o caminho para o fim da Guerra Fria.

Trump antecipou em uma entrevista ao jornal britânico "The Times" que proporá o fim das sanções contra a Rússia pela anexação da Crimeia e a intervenção na Ucrânia em troca de uma nova redução dos arsenais nucleares.

Em 2010, o presidente Barack Obama assinou em Praga com o então chefe do Kremlin, Dmitri Medvedev, o tratado de desarmamento nuclear Start, embora posteriormente a Rússia tenha abandonado o tratado com os EUA de reconversão de plutônio militar.

Peskov indicou que o presidente russo irá esperar a posse de Trump antes de avaliar qualquer iniciativa do novo líder americano, e lembrou que Putin insistiu que a Rússia não tem intenção de abordar a suspensão das sanções com líderes de outros países.

Por outro lado, o porta-voz disse que concorda com Trump quando diz que Otan é "obsoleta" por não se empenhar em combater o terrorismo internacional.

"Como a Otan está centrada no confronto e toda sua estrutura está dedicada aos ideais do confronto, dificilmente podemos considerá-la uma organização moderna que tenha como ideais a estabilidade, o desenvolvimento sustentável e a segurança", comentou Peskov.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos