Evo Morales nomeia 10 novos ministros, entre eles o de Relações Exteriores

La Paz, 23 jan (EFE).- O presidente da Bolívia, Evo Morales, ratificou nesta segunda-feira dez de seus ministros e designou outras dez novas autoridades, entre eles o chanceler do país, ao começar seu 12º ano de governo.

O novo ministro das Relações Exteriores da Bolívia é Fernando Huanacuni, que substituirá David Choquehuanca, um dos dois ministros de Morales que tinham permanecido no cargo desde que o líder assumiu a presidência pela primeira vez em 2006.

Morales também criou a pasta de Energia, que até agora era administrada junto com a área de Hidrocarbonetos, e eliminou as de Autonomias e Transparência, que serão incorporadas a outros ministérios.

Além de Huanacuni, que é da etnia aimara como Morales, os novos ministros são René Martínez (Presidência), Gisela López (Comunicação), Wilma Alanoca (Culturas e Turismo), Eugenio Rojas (Desenvolvimento Produtivo e Economia Plural), Rafael Alarcón Orihuela (Energia) e Héctor Arce (Justiça e Transparência Institucional).

Também passarão a fazer parte do novo gabinete Carlos René Ortuño (Meio Ambiente e Água), Mariana Prado Noya (Planejamento do Desenvolvimento) e Héctor Andrés Hinojosa (Trabalho).

Héctor Arce foi até agora o procurador-geral do Estado, enquanto René Martínez estava a cargo da direção de Defesa dos Mananciais do Silala e dos Recursos Hídricos na Fronteira com o Chile (DireSilala).

Gisela López era gerente do canal estatal "Bolivia TV", Wilma Alanoca era vereadora no município de El Alto pelo partido de Morales e Eugenio Rojas dirigiu nos últimos meses o fundo estatal para projetos indígenas.

Os ministros ratificados são Reymi Ferreira (Defesa), Luis Arce (Economia), Tito Montaño (Esporte), César Cocarico (Desenvolvimento Rural), Roberto Aguilar (Educação), Carlos Romero (Governo), Luis Alberto Sánchez (Hidrocarbonetos), César Navarro (Mineração), Milton Claros (Obras Públicas) e Ariana Campesino (Saúde).

A única autoridade que permanece no cargo desde a primeira gestão de Morales é Luis Arce.

O ministro da Presidência que agora está deixando o gabinete, Juan Ramón Quintana, foi parte do governo de Morales em sua primeira gestão (2006-2010) e retornou ao conselho de ministros em 2012 após dirigir um escritório para o desenvolvimento das fronteiras.

Quintana era considerado um dos ministros mais fortes do governo Morales e um dos mais criticados pela oposição.

No novo gabinete de Morales há somente quatro mulheres e 16 homens.

Os ministros do gabinete anterior cumpriram com a formalidade de renunciar em bloco para permitir que o líder renovasse sua equipe de colaboradores.

Morales antecipou que os ministros que não forem ratificados passarão ao serviço exterior e para outros cargos de responsabilidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos