Manifestantes protestam contra usina térmica perto de reserva em Bangladesh

Daca, 26 jan (EFE).- Centenas de pessoas se manifestaram nesta quinta-feira em Daca, capital de Bangladesh, contra a construção de uma usina térmica perto dos Sunderbands, o maior mangue do mundo, em um protesto que acabou em confrontos com a Polícia e vários feridos.

Os manifestantes, que rejeitam a instalação da usina por causa de seu impacto ecológico na reserva natural, foram dispersados com gás lacrimogêneo depois que 250 deles bloquearam uma das principais intersecções da capital, afirmou à Agência Efe o subcomissário da Polícia metropolitana, Marouf Sorder.

"Dispersamos o protesto e a situação está agora sob controle", afirmou o subcomissário.

Um dos manifestantes, Syed Fayiz Ahmed, criticou em declarações à Efe a repressão policial, ao assinalar que a mobilização acontecia de forma "pacífica" até que a Polícia os "atacou sem provocação prévia".

Pelo menos quatro dos feridos tiveram que ser hospitalizados e receber atendimento de primeiros socorros, segundo explicou o encarregado de segurança do Hospital Universitário de Daca, Baccu Miah.

O protesto faz parte de uma série de medidas realizadas por um grupo ecologista local que pressiona para que seja instalada a unidade perto dos Sunderbans, uma reserva natural de mangues situada no sudoeste do país e declarada patrimônio da humanidade em 1997.

A companhia mista indo-bengali Bangladesh-India Friendship Power Company espera poder começar a construção desta usina em fevereiro em Rampal, a apenas 14 quilômetros dos Sunderbans.

A central terá capacidade para gerar 1.320 megawatts o que a tornará a maior do país e terá um custo estimado de US$ 1,7 bilhão.

De acordo com fontes da empresa consultadas pela Efe, a usina poderia começar a operar em 2019.

O projeto recebeu várias críticas dentro e fora do país. Em outubro do ano passado, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) pediu ao governo bengali para cancelar ou transferir o local de construção da central térmica.

Segundo a Unesco os principais danos ecológicos derivados da construção da central serão a poluição devido à combustão de carvão, às águas residuais e às cinzas.

A Unesco assegurou que a poluição do ar e da água vai representar um "dano irreversível" à reserva, habitat de espécies protegidas como o tigre de bengala.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos