Movimento pede criação de comissão para investigar Odebrecht na R.Dominicana

Santo Domingo, 26 jan (EFE).- Membros do movimento Fim da Impunidade, organizador de uma manifestação que reuniu milhares de pessoas na República Dominicana no último domingo, pediram nesta quinta-feira a criação de uma comissão independente que conte com apoio das Nações Unidas para investigar os pagamentos de propina da Odebrecht no país.

Os organizadores da mobilização foram à Procuradoria Geral da República para reforçar que continuarão desenvolvendo ações para acabar com a impunidade no país e denunciar a ineficácia das investigações oficiais.

"Queremos reafirmar que nossa luta pacífica vai continuar, como foi até o momento, até que sejam identificados e levados à justiça os subornados pela Odebrecht", afirmou Natalia Mármol, uma das porta-vozes do movimento.

"Já decretamos o início do fim da impunidade e não vamos parar até que sejam identificados e submetidos à justiça os funcionários que receberam propinas da Odebrecht", acrescentou.

Outro organizador da manifestação, Bartolomé Pujals, disse que as investigações lideradas pelo procurador-geral, Jean-Alain Rodríguez - que há vários dias interroga ex-funcionários do governo que tiveram algum vínculo com a construtora brasileira -, "não darão nenhum resultado", já que estão sendo realizadas "no mesmo padrão de outros casos de suposta corrupção administrativa nos quais não houve resultados positivos".

"É importante destacar que nem o procurador-geral da República, nem o presidente, Danilo Medina, que também é suspeito, porque sua gestão aborda a questão das propinas, podem ser juiz e parte ao estar designando comissões que, afinal de contas, vão garantir a impunidade de qualquer ato de corrupção que possa ser constatado", afirmou.

Na sede da instituição também se reuniram os membros da Frente Amplio, o deputado Fidel Santana, e Dionisio Restituyo, para apresentar um expediente que dá conta dos superfaturamentos aplicados em 24 orçamentos de projetos executados pela empresa no país e que também inclui um relatório técnico.

No documento, no entanto, não constam as obras públicas licitadas durante o atual governo de Danilo Medina, como a Central Termelétrica Punta Catalina e o corredor Duarte.

Segundo documentos divulgados em dezembro pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou US$ 788 milhões em propinas em 12 países, entre eles a República Dominicana, onde desembolsou US$ 92 milhões ao longo de quase duas décadas para conseguir a concessão de obras públicas.

Além dos interrogatórios, a direção de Contratações Públicas do Estado dominicano inabilitou temporariamente a Odebrecht para os processos de licitação de todas as obras públicas.

Na última sexta-feira, a empresa se comprometeu a pagar US$ 184 milhões como compensação econômica à República Dominicana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos