Ativista pega 11 anos de prisão por lesa-majestade na Tailândia

Bangcoc, 27 jan (EFE).- A Justiça militar de Bangcoc condenou nesta sexta-feira a 11 anos e quatro meses de prisão um ativista tailandês que se declarou culpado de difamar à Coroa em comentários nas redes sociais.

Fontes da corte militar confirmaram à Agência Efe a sentença de Burin Intin, detido em 27 de abril do ano passado, durante um protesto em Bangcoc contra a junta militar que governa o país desde 2014. Burin Intin foi condenado por duas acusações de difamação da monarquia e um crime cibernético. Ele mantinha ser inocente até o último dia 24, quando se retratou e se declarou culpado.

"Em nome da proteção da monarquia, a junta está estrangulando a liberdade de expressão e avivando o clima de temor na Tailândia", disse o chefe da Human Rights Watch para a Ásia, Brad Adams.

A lei de lesa-majestade na Tailândia condena com até com 15 anos de prisão quem divulgar ou emitir mensagens sobre a monarquia que as autoridades considerem ofensivas. As detenções por este crime se multiplicaram desde o golpe militar de 22 de maio de 2014.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos