Irã recomenda precauções para cidadãos que viajarem aos EUA

Teerã, 29 jan (EFE).- O Ministério das Relações Exteriores do Irã aconselhou neste domingo seus cidadãos que pretendem viajar aos Estados Unidos a tomarem precauções, depois do polêmico veto aprovado pelo presidente Donald Trump, ao qual Teerã respondeu com reciprocidade.

Em comunicado, o Ministério pediu aos cidadãos iranianos que comprovem antes de sua saída que não vão ter problemas nem durante a viagem nem ao entrar nos EUA.

O departamento lembrou que vários passageiros de seis países de maioria muçulmana, entre eles o Irã, foram impedidos de embarcar em voos com destino aos EUA.

A ordem de Trump suspende durante 90 dias a concessão de vistos e a entrada de todos os cidadãos de Iraque, Síria, Irã, Sudão, Líbia, Somália e Iêmen, até que sejam adotados novos processos de escrutínio.

Esta medida, criticada em nível internacional, causou caos ontem em alguns aeroportos dada a falta de clareza sobre certos detalhes.

De forma semioficial, Washington informou que o veto temporário se aplica também aos cidadãos desses sete países que tenham um passaporte de outra nação.

Além disso, a medida afeta aqueles residentes permanentes nos EUA, mas que se encontram fora do país, e que deverão agora obter uma isenção.

Perante este veto, o governo iraniano anunciou ontem que aplicará o princípio de reciprocidade aos cidadãos dos EUA após este "insulto flagrante aos muçulmanos do mundo".

O chefe da diplomacia iraniana, Mohamad Javad Zarif, explicou posteriormente em sua conta oficial no Twitter que, ao contrário dos EUA, o veto iraniano não é retroativo.

"Todos aqueles com um visto iraniano válido são bem-vindos", destacou Zarif, que denunciou que a ordem de Trump "é um presente para os extremistas e seus seguidores".

O porta-voz do parlamento iraniano, Ali Larijani, também criticou hoje a decisão americana, que considerou "racista" e um sinal do "medo" dos EUA.

Segundo Larijani, a inclusão do Irã entre os países vetados sob o pretexto de impedir a entrada de extremistas é "uma piada lamentável", já que a República Islâmica está lutando contra o terrorismo no Oriente Médio.

A expectativa era que as relações entre Teerã e Washington piorassem com a chegada à presidência de Trump, que se mostrou também contrário ao acordo nuclear assinado entre Irã e seis grandes potências em julho de 2015.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos