Iêmen assegura que veto de Trump fortalece posições de extremistas

Sana, 30 jan (EFE).- O governo do presidente do Iêmen reconhecido internacionalmente, Abdo Rabbo Mansour Hadi, considerou nesta segunda-feira que o veto do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à entrada de cidadãos iemenitas no país fortalece as teses dos extremistas.

"Este tipo de decisão fortalece as posições dos extremistas e fomenta a segregação", assegurou o Ministério das Relações Exteriores iemenita em comunicado divulgado pela agência oficial de notícias do país, "Saba".

Na nota, o governo iemenita manifestou seu descontentamento com a "infeliz decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de não conceder mais vistos aos cidadãos de sete países, entre eles o Iêmen".

A única maneira de Iêmen e Estados Unidos conseguirem enfrentar o extremismo é através "da interação e do diálogo, e não construindo barreiras", ressaltou o governo do país árabe no texto.

Trump assinou na última sexta-feira uma ordem que suspende durante 90 dias a concessão de vistos e a entrada nos EUA de todos os cidadãos de sete países muçulmanos: Iraque, Síria, Irã, Sudão, Líbia, Somália e Iêmen, até que sejam adotados novos processos de apuração, e também interrompe o recebimento de refugiados durante 120 dias.

O governo dos rebeldes houthis também condenou ontem a medida de Trump, a qual classificou de "ilegal".

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores dos rebeldes indicou que essa medida "constitui uma ilegalidade e uma ilegitimidade", ao considerar "o Iêmen e a seus cidadãos como possível fonte de terrorismo e extremismo".

A nota ministerial rejeitou que seus cidadãos sejam qualificados como "perigosos" por professarem o islã e acrescentou que "o Iêmen não foi, nem será, uma fonte de terrorismo para os EUA, e nem enviou, nem enviará refugiados aos Estados Unidos".

"Não existe justificativa para incluir o Iêmen na lista dos países cujos cidadãos foram vetados", já que a nação árabe não representa "uma ameaça para a segurança dos EUA, nem de nenhum outro Estado", insistiu o governo iemenita no texto.

O Iêmen está imerso em uma guerra civil entre os rebeldes houthis e seu principal aliado, o ex-presidente Ali Abadalah Saleh, contra as milícias leais ao presidente Hadi, que conta com o apoio de uma aliança árabe liderada pela Arábia Saudita e apoiada pelos EUA.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos