Mais de 1 milhão de pessoas são contrárias à visita de Trump ao Reino Unido

Londres, 30 jan (EFE).- O abaixo-assinado que pede que o governo do Reino Unido cancele a visita do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao país superou 1 milhão de assinaturas.

A solicitação, iniciada pelo britânico Graham Guest, e que terá que ser debatida pelos deputados, foi enviada no sábado à Câmara dos Comuns por causa da controvérsia causada por Trump ao vetar a entrada nos EUA de cidadãos de vários países de maioria muçulmana.

Apesar do clamor popular, um porta-voz do governo da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, disse hoje que o convite foi "feito e aceito" por Trump e que não será cancelado.

Fontes de Downing Street, residência oficial da primeira-ministra, disseram que cancelar a visita seria um "gesto populista". Segundo as fontes, os EUA são um "aliado importante" e é preciso "pensar a longo prazo".

Os partidos da oposição pediram ontem que o governo não receba o novo presidente dos EUA após o anúncio do alcance da na política migratória. Trump vetou a entrada nos EUA de cidadãos com passaportes da Líbia, Sudão, Iraque, Somália, Síria, Iêmen e Irã, países com histórico de terrorismo.

Além disso, o republicano suspendeu a entrada de todos os refugiados por 120 dias e também a concessão de vistos a cidadãos com passaportes dos sete países por 90 dias.

Em uma reunião com Trump na última sexta-feira, em Washington, May convidou o presidente dos EUA a visitar Londres para ser recebido pela rainha Elizabeth II.

No encontro, May e Trump abordaram vários assuntos, como a negociação de um acordo comercial assim que o Reino Unido sair da União Europeia (UE), previsivelmente em meados de 2019.

O cidadão britânico que iniciou o pedido à Câmara dos Comuns, Graham Guest, declarou que a finalidade era colocar o "foco" em Trump e que a visita "legitimaria" sua presidência, já que o republicano utilizaria o encontro para se reforçar no cargo.

No sábado à tarde, o abaixo-assinado tinha apenas 60 assinaturas, mas horas depois chegou a 100 mil, o que faz com que ela tenha que ser debatida pelos deputados britânicos.

Foram convocadas manifestações de protesto contra a ordem executiva de Trump nas cidades de Londres, Manchester, Bristol, Brighton, Liverpool, Glasgow, Edimburgo, Cardiff e Swansea.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos