Trump manterá decreto de Obama contra discriminação de trabalhadores LGBT

Washington, 31 jan (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu manter uma ordem executiva de seu antecessor, Barack Obama, que proibiu as empresas que tenham contratos com o governo federal de discriminar trabalhadores LGBT.

Em comunicado divulgado nesta terça-feira, a Casa Branca informou que o novo presidente "está decidido a proteger os direitos de todos os norte-americanos, incluindo a comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros)".

De acordo com a Casa Branca, Trump "se orgulha" de ter sido o primeiro candidato presidencial republicano a citar a comunidade LGBT no discurso de aceitação da indicação, uma forma de se comprometer a proteger a minoria da "violência e opressão".

Com o anúncio de hoje, a Casa Branca põe fim aos rumores de que Trump queria eliminar a ordem executiva assinada por Obama em 2014 para proteger os homossexuais contra a discriminação no trabalho.

"A ordem permanecerá intacta no governo Trump", disse a nota.

Com a ordem executiva, assinada em julho de 2014, Obama tornou ilegal a demissão de funcionários de empresas terceirizadas contratadas pelo governo federal por motivos relacionados com suas orientações sexuais ou identidade de gênero.

Além disso, o texto da medida proíbe explicitamente a discriminação dos funcionários transexuais.

Na época, o governo de Obama indicou de quatro em cada dez lésbicas, gays e bissexuais tinham sido vítima de alguma forma de discriminação trabalhista devido à orientação sexual. Entre os transexuais, 90% tinham sofrido assédio ou maus-tratos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos