Primeiro-ministro australiano é acusado de comprar últimas eleições

Em Sydney

  • Paul Miller/Reuters

    Malcolm Turnbull, primeiro-ministro da Austrália

    Malcolm Turnbull, primeiro-ministro da Austrália

O primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, foi acusado nesta quinta-feira (2) de comprar as eleições após admitir que doou cerca de US$ 1,3 milhão para financiar seu partido na última campanha eleitoral.

"Contribuí com 1,75 milhão de dólares australianos (cerca de US$ 1,3 milhão), foi o que doei", disse Turnbull, na quarta-feira (1º) à noite, em uma entrevista à emissora local "ABC".

A doação, que, segundo a imprensa local, serviu para financiar anúncios de televisão, pesquisas e envio de propaganda por correio, foi feita antes das eleições de julho do ano passado.

Segundo o jornal "Sydney Morning Herald", a doação de Turnbull, que também é líder do Partido Liberal, representa a maior contribuição financeira a um partido político realizada por uma pessoa no país.

Até agora, Turnbull, um ex-banqueiro multimilionário, tinha evitado a falar sobre esta contribuição, que segundo a legislação eleitoral, poderia ser mantida em segredo por mais um ano.

O primeiro-ministro se defendeu, assegurando que investiu em seu próprio partido, e acusou o Partido Trabalhista de ter conseguido financiamento com o apoio dos sindicatos --o que não impediu críticas da oposição.

Jim Chalmers, porta-voz de Finanças dos trabalhistas, acusou Turnbull de tentar manter em segredo "pelo maior tempo possível" a doação e destacou que, ao contrário do governo, seu partido revela corretamente as fontes das doações.

O tesoureiro Scott Morrison, respondeu Chalmers, classificando suas declarações de "suja manobra política de um sujo pirata político de um partido de piratas".

O senador Nick Xenophon denunciou a falta de transparência que permitida pela legislação atual nas questões de doações e pediu por uma mudança no sistema para que as doações a partidos se tornem públicas em tempo real.

A lei australiana de financiamento de partidos fornece subsídios com base nos resultados eleitorais e aceita doações privadas para cobrir o custo extra das campanhas.

O caso de Turnbull segue ao do senador trabalhista Sam Dastyari, que permitiu que um centro educativo vinculado ao empresário chinês-australiano Minshen Zhu, ligado ao Partido Comunista da China, pagasse os quase US$ 1,2 mil que tinha gasto a mais como parte de suas dietas.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos