Putin diz que governo da Ucrânia aqueceu conflito para se aproximar de Trump

Redação Central, 2 fev (EFE).- O presidente da Rússia, Vladimir Putin, acusou nesta quinta-feira as autoridades da Ucrânia de querer intensificar o conflito no leste do país, para poder se aproximar do novo mandatário dos Estados Unidos, Donald Trump, após terem apoiado a democrata Hillary Clinton.

"Como bem sabemos, durante a campanha eleitoral americana, o atual governo ucraniano adotou uma posição unilateral de apoio a um candidato, e, sobretudo, alguns oligarcas, com o sinal verde dos dirigentes políticos, financiaram este candidato, ou, para ser mais preciso, candidata", afirmou o líder russo.

Putin, que concedeu entrevista coletiva conjunta com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, com quem se reuniu em Budapeste, afirmou que a única forma dos dirigentes da Ucrânia se e entenderem com Trump era intensificando o conflito.

"Agora, terão que acertar as relações com a atual administração e, através de um conflito sempre é melhor, mais cômodo. É mais fácil envolver o novo governo na resolução do problema ucraniano e abrir assim algum tipo de diálogo", disse o mandatário russo.

Putin considerou que o governo de Kiev não está disposto a cumprir os acordos de paz determinados em Minsk, para chegar a uma solução do conflito no leste, pró-Rússia, da Ucrânia, e buscam uma desculpa para conseguir a revogação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos